Investimento

Bosch é “exemplo do espírito europeu”

Visita de Angela Merkel à Bosch, em Braga. A chanceler alemã foi
acompanhada pelo primeiro-ministro, António Costa.
Fotografia: Artur Machado/ Global Imagens
Visita de Angela Merkel à Bosch, em Braga. A chanceler alemã foi acompanhada pelo primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: Artur Machado/ Global Imagens

No primeiro dia em Portugal Angela Merkel foi à Bosch, que está criar tecnologia inovadora para condução autónoma

A chanceler alemã, Angela Merkel, chegou ontem à Bosch num Audi A6, contrariando as expectativas geradas de ser transportada do aeroporto do Porto até ao novo centro de tecnologia e desenvolvimento do grupo alemão, em Braga, no novo modelo produzido na Autoeuropa, o T-Roc. À sua espera estava já o primeiro-ministro português, para, juntos, inaugurarem o mais recente investimento da Bosch em Braga, “um excelente exemplo” do espírito europeu, disse o primeiro-ministro.

O centro de tecnologia, um investimento de três milhões de euros e que permitirá criar cem postos de trabalho na área da engenharia até ao final do ano (a somar aos cem já existentes), é uma aposta do grupo alemão no desenvolvimento de soluções para a mobilidade autónoma e conectada em Portugal. Os colaboradores estão já a trabalhar em sensores e funções de software com vista à perceção e localização no ambiente, e que serão aplicados na condução autónoma. O objetivo é que a condução no futuro seja segura, confortável e sem acidentes.

A disponibilidade de recursos humanos qualificados no país e a parceria que a Bosch tem há vários anos com a Universidade do Minho, e que está a reforçar, foi determinante para este novo projeto em Braga. A inovação é o futuro da Europa, e também do emprego, sublinhou Angela Merkel.

A chanceler alemã aludiu ao problema do desemprego, que “foi e ainda é, um problema” em Portugal, mas o importante “é saber qual o rumo a seguir para ter um futuro e os números mostram quais são os setores do futuro”. Por isso, Merkel pediu “aos professores que despertem o entusiasmo nos alunos pelas novas tecnologias porque são as profissões de futuro”.

Neste caminho, a Bosch tem em curso uma candidatura a fundos europeus para projetos na área da condução autónoma a desenvolver no novo centro em parceria com a Universidade do Minho, que prevê um investimento de 36 milhões de euros entre 2018 e 2021.

O carro do futuro
Para Angela Merkel, que visitou as novas instalações da Bosch, a “prosperidade depende de sermos inovadores” e como “o resto do mundo não fica de braços cruzados é uma enorme alegria ver que aqui se está a trabalhar no futuro da Europa em cooperação entre dois países fisicamente distantes”.
Já António Costa realçou que “o espírito europeu não é só juntar países à volta de uma mesa do conselho para tomar decisões, é a capacidade de juntarmos recursos, de fazermos em conjunto”. Só assim será possível “construir uma Europa que possa defender o seu modelo social, os seus standards de vida e ambientais e o modo de viver neste mundo globalizado que é tão desafiante para a Europa”.

Do made in ao invented in
Recordando que há vários anos a Blaupunkt (antiga Bosch) produzia em Braga autorrádios e hoje a produção está baseada em tecnologia e conhecimento, António Costa sublinhou que é a colaboração em rede que vai desenvolver a “tecnologia que vai equipar o carro do futuro”. E lembrou que o grupo alemão é parceiro nos projetos Laboratórios Colaborativos e Clube dos Fornecedores, dentro do programa Interface, “que visa transferir conhecimento e tecnologia das universidades, politécnicos e centros de saber para o tecido económico”. E frisou: “Se queremos ser competitivos no futuro, é com base na inovação e no conhecimento.”

Já Dirk Hoheisel, membro do conselho de administração da Bosch, recordou a longa história do grupo em Portugal, que se instalou nos idos de 1911, e hoje tem presença em Braga, Ovar, Aveiro e Lisboa. O responsável sublinhou que a Bosch em Portugal é o made in, mas também o invented in, e que o novo centro “é mais uma prova do grande potencial que vemos” no país.

Nos últimos três anos, a Bosch investiu cerca de 200 milhões de euros em novas infraestruturas, com o consequente aumento da produção, e aumentou o número de colaboradores, respondendo hoje por 4500 postos de trabalho. Em Portugal, o grupo gerou um volume de negócios de 1,5 mil milhões de euros em 2017. A nível global, a Bosch respondeu por vendas de 78,1 mil milhões de euros.

À saída da Bosch, António Costa juntou-se a Angela Merkel e seguiram então no Volkswagen T-Roc para o Porto, para visitar dois laboratórios e a uma plataforma científica do I3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, e onde eram esperados para um debate com perto de cem alunos de doutoramento da Universidade do Porto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Bosch é “exemplo do espírito europeu”