Minas

Braga recusa ter explorações de lítio e outros minerais metálicos no concelho

PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA
PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

Autarquia é contra a "atribuição dos direitos de prospeção e pesquisa de depósitos de minerais", solicitados por uma empresa australiana.

A Câmara de Braga recusa ter prospeções de lítio e outros minerais metálicos associados no concelho, justificando que “atingiu um estatuto de aglomeração urbana” com um potencial que “não se compadece com a exploração dos recursos minerais em causa”.

Num parecer enviado pela autarquia à Direção-Geral de Energia e Geologia e à Direção Geral de Serviços de Minas e Pedreiras, a que a Lusa teve hoje acesso, “manifesta-se totalmente contra a atribuição dos direitos de prospeção e pesquisa de depósitos de minerais de ouro, prata chumbo, zinco, lítio, tungsténio, estanho e outros ferrosos e minerais metálicos associados”, solicitados por uma empresa australiana “relativo a uma área denominada de Cruto, que envolve Braga, Barcelos e Vila Verde”.

No documento, assinado pelo vereador do Ambiente, Altino Bessa, a Câmara de Braga “considera que a exploração em causa não vai respeitar os princípios do desenvolvimento sustentável, de modo integrado, nas vertentes económica, social, urbanística, cultural, patrimonial, paisagística e ambiental” que a autarquia deseja.

“Braga atingiu um estatuto de aglomeração urbana, com potencial para se transformar na terceira área metropolitana de Portugal, que não se compadece com a localização da atividade de exploração dos recursos minerais em causa, sob pena de se estar a prejudicar a qualidade de vida dos cidadãos e a capacidade de atração da cidade em termos sociais, empresariais, turísticos, paisagísticos e ambientais”, lê-se.

A autarquia defende ainda que “o polígono de prospeção e pesquisa de depósitos minerais não deve localizar-se no concelho de Braga e, muito menos, sobrepor-se a espaços urbanos de dimensão relevante que vão desde o Centro Histórico da Cidade até aos aglomerados com menor densidade que irradiam do centro e configuram uma ocupação urbana dispersa que cobre todo o concelho”.

No texto, o vereador reconhece que a exploração daqueles metais é relevante: “Pese embora os recursos geológicos sejam fontes de matérias-primas indispensáveis à manutenção da sociedade e a sua relevância tende a aumentar face às dinâmicas que se anteveem para uma sociedade descarbonizada (…)”, explica, defendendo depois que a área em causa não é a ideal.

O polígino de prospeção e pesquisa proposto “sobrepõe-se a áreas muito relevantes de outros recursos naturais, tais como, agrícolas, reserva agrícola nacional, florestais, agroflorestais, hídricos (rio Cávado e rio Torto), reserva ecológica nacional, mas também áreas de proteção patrimonial de património classificado e inventariado e áreas com potencial turístico muito relevante”, justifica.

A autarquia explica o não à exploração mineira apontando razões ambientais, como poluição, “intensa utilização de água já escassa para as populações e agricultura”, a “desvalorização dos aglomerados urbanos envolvidos, do património classificado”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Braga recusa ter explorações de lítio e outros minerais metálicos no concelho