Brexit

Brexit teve “impacto imediatamente positivo no turismo”

Fotografia: D.R
Fotografia: D.R

Um estudo publicado pela consultora Forward Keys revela que o Brexit teve um “impacto imediatamente positivo” no turismo britânico

O Reino Unido pode ter decidido virar as costas à União Europeia, mas os turistas não querem virar as costas ao Reino Unido. Um estudo publicado, esta segunda-feira, pela consultora especializada em Turismo Forward Keys revela que o Brexit teve um “impacto imediatamente positivo” no turismo britânico.

Em comparação com o ano passado, o número total de voos marcados aumentou 4,3% nos 28 dias que se seguiram o referendo.

As reservas provenientes de Hong Kong bateram recordes, com um aumento de 30,1% face ao mesmo período do ano passado.

Nos Estados Unidos o número de voos marcados para terras de Sua Majestade também cresceu de forma significativa: 9,2%.

Na Europa registou-se um aumento de 5%.

Segundo os autores do estudo, que tiveram em conta os dados de mais de 200 mil agências de viagens online e offline, “as taxas de câmbio mais favoráveis das últimas décadas” serão o principal fator por trás do aumento de turistas no Reino Unido.

Desde 23 de junho, data do referendo que culminou com o “Sim” ao Brexit, o valor da libra esterlina caiu cerca de 10% face ao euro e 13% em relação ao dólar.

O mesmo estudo concluiu que as incertezas sobre a economia mundial, bem como os ataques terroristas em França e na Bélgica, contribuíram para que a escolha dos turistas recaísse no Reino Unido.

Segundo dados oficiais do Gabinete Nacional de Estatísticas do Reino Unido, o turismo é o sétimo setor com mais peso nas exportações e o terceiro maior empregador do país.

2015 já tinha sido o ano com mais turistas de sempre no Reino Unido, com mais de 36 milhões de visitantes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Brexit teve “impacto imediatamente positivo no turismo”