Brexit

Boris Johnson compara planos britânicos para saída da UE a “colete suicida”

"Brexit, valerá a pena?". REUTERS/Yves Herman
"Brexit, valerá a pena?". REUTERS/Yves Herman

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Boris Johnson, comparou os planos da primeira-ministra britânica, Theresa May, para a saída daquele país da União Europeia, o chamado ‘Brexit’, a um “colete suicida”.

“Nós sujeitámo-nos a uma chantagem política perpétua […]. Pusemos um colete suicida na constituição britânica e entregámos o detonador a Michel Barnier [negociador da União Europeia para o ‘Brexit’]”, escreve Boris Johnson num artigo de opinião divulgado pelo Daily Mail.

Numa alusão à anuência de Theresa May sobre as exigências de Bruxelas, nomeadamente as que são relativas às fronteiras do Reino Unido, Boris Johnson lamenta que a chefe de Governo tenha cedido em vez de lutar para o Reino Unido conseguir um “gigantesco e generoso acordo de comércio livre”.

“Em todas as etapas das conversações, até agora, Bruxelas tem conseguido o que quer. Concordámos [Reino Unido] com o calendário da União Europeia, aceitámos entregar 39 mil milhões de libras [cerca de 44 mil milhões de euros] por nada em troca” e “estamos dispostos a aceitar as regras” sobre as fronteiras, enumera o antigo governante.

Para Boris Johnson, isto “é uma humilhação”, já que o Reino Unido parece um “insignificante” de 45 quilos “vergado perante um gorila de uma tonelada”.

Em julho passado, Boris Johnson, assim como o até então negociador britânico, Davis Davis demitiram-se em desacordo com a forma como estão a decorrer as negociações para a concretização da saída do Reino Unido da União Europeia.

Boris Johnson foi substituído pelo anterior ministro da Saúde do Reino Unido, Jeremy Hunt.

A demissão de Boris Johnson aumentou a pressão sobre a primeira-ministra, Theresa May, alvo de críticas de alguns deputados a favor de um “divórcio” mais radical com a União Europeia.

Também vários deputados que apoiam o ‘Brexit’ já se manifestaram insatisfeitos com o plano, mas, por enquanto, ainda não foi iniciado nenhum processo para forçar a demissão de Theresa May.

O comentário hoje divulgado gerou, contudo, polémica junto de alguns responsáveis políticos da ala conservadora, com ministro de Estado para a Europa no país, Alan Duncan, a condenar as palavras usadas por Boris Johnson.

Através da rede social ‘Twitter’, Alan Duncan argumentou que os comentários equivalem “a um dos momentos mais repugnantes da política britânica moderna” e deveriam ser “o fim político” do ex-ministro nos Negócios Estrangeiros.

Faltam menos de nove meses até que o Reino Unido efetue a saída da União Europeia em 29 de março de 2019, cujas negociações sobre os termos do divórcio e do relacionamento posterior estão num impasse.

As duas partes tinham indicado outubro como um prazo para chegar a um entendimento para que o acordo possa ser ratificado pelos diferentes parlamentos nacionais dos 27.

O Reino Unido vai deixar a União Europeia em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016 que viu 52% dos britânicos votarem a favor do ‘Brexit’.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
lisboa

Balcão dos despejos recebeu 294 pedidos por mês. São menos 44 do que em 2017

www.dinheirovivo.ptcombustiveis-7-1-1bb026ceb7a816266a2de2967749df8fd8ec068c-34e8f5d94c782fb8aeedef4aac66cd8f0db5ac96

Combustíveis descem há seis semanas, mas estão mais caros do que em janeiro

Tomás Correia, preside a Associação Mutualista Montepio, dona do Caixa Económica

Tomás Correia. Entrada da Santa Casa fica fechada “em menos de 30 dias”

Outros conteúdos GMG
Boris Johnson compara planos britânicos para saída da UE a “colete suicida”