Brexit

Brexit: Bruxelas defende correção imediata do orçamento se não houver acordo

O Comissário Europeu para o Orçamento, Gunther Oettinger. REUTERS/Francois Lenoir
O Comissário Europeu para o Orçamento, Gunther Oettinger. REUTERS/Francois Lenoir

O comissário europeu para o Orçamento estimou que, em cenário de "não acordo", pode causar um 'buraco' na ordem dos milhares de milhões no orçamento.

A União Europeia deverá reagir “imediatamente” para modificar o seu orçamento se o Reino Unido não ratificar o acordo do ‘Brexit’, defendeu esta terça-feira o comissário europeu do Orçamento, Günther Oettinger.

O comissário estimou que, no caso de uma saída desordenada do Reino Unido da União Europeia (UE) em 29 de março, o orçamento comunitário para este ano ficaria com um ‘buraco’ na ordem dos milhares de milhões (mas inferior a dez mil milhões de euros), uma quantia que seria ainda mais elevada em 2020.

De acordo com Günther Oettinger, uma vez que a UE não tem a capacidade de recorrer ao crédito para financiar as suas despesas, o fim precipitado da contribuição financeira do Reino Unido teria como consequência que “os pagamentos deixariam de estar garantidos”, o que diminuiria as verbas disponíveis para assumir compromissos nos anos seguintes.

“Deveremos reagir imediatamente se houver alterações”, defendeu.

O acordo de saída do Reino Unido da UE, endossado pelo Conselho Europeu em 25 de novembro, prevê que Londres continue a pagar normalmente a sua contribuição para o orçamento europeu em 2019 e em 2020, durante o período de transição após o ‘Brexit’.

O texto será votado na Câmara dos Comuns em 15 de janeiro, depois de a primeira-ministra britânica, Theresa May, ter decidido adiar em dezembro, com vista a evitar um previsível ‘chumbo’ do acordo do ‘Brexit’.

Theresa May dialogou nos últimos dias com alguns dos líderes dos 27 na tentativa de alcançar garantias políticas e legais adicionais sobre o acordo de saída do Reino Unido do bloco comunitário.

A primeira-ministra britânica procura, em concreto, clarificações sobre o mecanismo de salvaguarda desenhado para evitar o regresso de uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, de modo a conseguir que o parlamento britânico vote favoravelmente o acordo.

Os seus parceiros europeus, assim como o presidente da Comissão Europeia, e o do Conselho Europeu, Donald Tusk, têm, no entanto, repetido insistentemente que não vão reabrir as negociações do acordo, que é “o melhor e único possível”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, à chegada para uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça os secretários de Estado do novo Governo

Outros conteúdos GMG
Brexit: Bruxelas defende correção imediata do orçamento se não houver acordo