Brexit

Brexit: Deputados britânicos retomam debate sobre o acordo

Fotografia: Toby Melville/ Reuters.
Fotografia: Toby Melville/ Reuters.

Theresa May avisou que existe um risco de o Reino Unido sair da União Europeia sem acordo.

Os deputados britânicos retomam esta quarta-feira, 9 de janeiro, o debate sobre o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia, que o governo pretende que seja aprovado na terça-feira para evitar um ‘Brexit’ desordenado.

O debate na Câmara dos Comuns será aberto à tarde pelo ministro para a Saída da UE, Stephen Barclay, e será fechado pela primeira-ministra, Theresa May, sendo incerto se vai durar três dias, até sexta-feira, ou se vai continuar até ao dia do voto.

May avisou que o Reino Unido entrará num “território desconhecido” se o parlamento rejeitar o acordo, alcançado após meses de negociações com Bruxelas, admitindo que existe um risco de uma saída sem acordo.

O documento inclui um período de transição de 21 meses, até ao final de 2020, durante o qual a UE tratará o Reino Unido como se fosse um Estado-Membro, permitindo a entidades públicas, empresas e cidadãos adaptarem-se à saída do Reino Unido.

Uma rejeição a apenas 79 dias do ‘Brexit’, previsto para 29 de março de 2019, deixaria o país numa situação crítica, receando-se que uma saída desordenada afete o funcionamento de serviços como o transporte de mercadorias de e para a UE devido a controlos alfandegários até agora desnecessários por o Reino Unido fazer parte do mercado único europeu.

A aprovação do acordo continua incerta devido à objeção não só dos partidos da oposição, mas também de deputados do partido Conservador e do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte, aliado que garante a maioria do governo no parlamento.

Ao adiar o voto, previsto inicialmente para 11 de dezembro, May comprometeu-se a obter “garantias legais e políticas” dos líderes europeus para tentar ultrapassar as objeções sobretudo relacionadas com a solução de salvaguarda conhecida por ‘backstop’, criada para evitar o regresso de uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda caso não exista um acordo sobre as relações futuras no final de 2020.

Eurocéticos receiam que o pais fique indefinidamente numa união aduaneira com a UE e sujeita a regras europeias sem poder sair unilateralmente, enquanto que os unionistas contestam a imposição de normas diferentes na região da Irlanda do Norte relativamente ao resto do Reino Unido.

Bruxelas reiterou que não pretende mexer no conteúdo do acordo, mas a imprensa britânica tem referido a intenção de ser feita uma “troca de cartas” onde os 27 manifestam a intenção de concluir rapidamente as negociações para um acordo comercial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Brexit: Deputados britânicos retomam debate sobre o acordo