Brexit

Brexit: Juncker afasta renegociação. “Este é o único acordo possível”

Primeira-ministra britânica, Theresa May, e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia. Fotografia:  REUTERS/Hannah McKay
Primeira-ministra britânica, Theresa May, e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: REUTERS/Hannah McKay

Presidente da Comissão Europeia reúne-se ao final da tarde com Theresa May, que anulou na segunda-feira votação sobre acordo do Brexit.

Bruxelas afasta renegociar o acordo que permite uma saída ‘suave’ do Reino Unido da União Europeia. As palavras são do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que esta terça-feira, ao final da tarde, vai reunir-se com a primeira-ministra britânica, Theresa May.

“Vou reunir-se com Theresa May em Bruxelas ao final da tarde. Continuo convicto de que o acordo do Brexit que temos é o melhor – e o único – acordo possível. Não há espaço para renegociar mas apenas será possível clarificar alguns pontos”, referiu Juncker numa publicação feita na sua conta oficial no Twitter.

O aviso de Juncker é deixado no dia em que a primeira-ministra britânica iniciou em Haia (Holanda) e em Berlim (Alemanha) uma série de encontros bilaterais com líderes europeus, numa corrida contra o tempo para conseguir “garantias adicionais” no acordo do ‘Brexit’ que satisfaçam os deputados do seu partido Conservador.

A primeira-ministra deverá estar em Londres na quarta-feira, onde mantém na agenda a sessão semanal de respostas aos deputados, mas volta a Bruxelas na quinta e sexta-feira, onde vai participar no Conselho Europeu sobre o ‘Brexit’, que incluirá uma discussão sobre o cenário de “não-acordo”.

Na segunda-feira, Theresa May disse no parlamento britânico que a decisão de adiar o voto foi tomada após ouvir “muito atentamente o que foi dito, nesta Câmara e fora dela”, em particular a “preocupação generalizada e profunda” que muitos deputados vocalizaram sobre a solução de salvaguarda para a fronteira da Irlanda do Norte.

A solução conhecida por ‘backstop’, criada para evitar o regresso de uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, foi criticada por dezenas de deputados do partido Conservador.

Adeptos e opositores ao ‘Brexit’ revoltaram-se contra o mecanismo, que pode ser ativado caso não exista um acordo sobre as relações futuras no final de 2020, por causa do risco de deixar o país “indefinidamente” numa união aduaneira sem poder sair unilateralmente.

Theresa May, ao adiar a votação do acordo obtido para o Brexit, evitou uma derrota praticamente certa no Parlamento britânico.

A saída do Reino Unido da União Europeia está prevista para 29 de março de 2019.

(Em atualização)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal

BES: Processos contra Banco de Portugal caem para metade

O primeiro-ministro, António Costa, gesticula durante o debate quinzenal na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de março de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

António Costa: “Portugal vai continuar a crescer acima da média europeia”

Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/ LUSA

Rendas na energia: João Matos Fernandes encontrou “ambiente crispado”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Brexit: Juncker afasta renegociação. “Este é o único acordo possível”