Brexit

Brexit: Londres e Bruxelas chegam a acordo

EPA/WILL OLIVER
EPA/WILL OLIVER

O primeiro-ministro britânico e o presidente da Comissão Europeia já revelaram que foi alcançado um acordo para a saída do Reino Unido da UE.

O Reino Unido e a União Europeia alcançaram um acordo para a saída de Londres do bloco económico. A notícia foi dada pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e por Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, na rede social Twitter. O ainda presidente da Comissão Europeia fala de “um acordo justo e equilibrado para a UE e para o Reino Unido” e recomenda aos líderes europeus que votem favoravelmente o documento.

Na missiva enviada ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, Jean-Claude Juncker diz, citado pelo The Guardian, que “no que diz respeito ao acordo de saída propriamente dito, as negociações focaram-se no protocolo Irlanda/Norte da Irlanda [ou seja, o chamado backstop] e procuramos identificar uma solução que fosse mutuamente satisfatória para abordar as circunstâncias específicas da ilha da Irlanda”.

(veja aqui o tweet com o anúncio de Juncker)

(veja aqui o tweet com o anúncio de Boris Johnson)

“Os negociadores debateram a declaração política que estabelece o enquadramento para relação futura entre a União Europeia e o Reino Unido. O seu objetivo era ajustar a declaração política de uma forma que reflete o diferente nível de ambição procurado agora pelo governo do Reino Unido para a futura relação do país com a União Europeia”.

Parlamento britânico ainda tem de aprovar

O Conselho Europeu reúne-se a partir desta quinta-feira à tarde em Bruxelas. O acordo agora alcançado entre Londres e Bruxelas para a saída do Reino Unido do bloco económico tem de ser aprovado pelos líderes europeus. E no próximo sábado pelo parlamento britânico. Para que o documento tenha luz verde da Câmara dos Comuns no fim-de-semana, Boris Johnson tem de conseguir assegurar o apoio de uma maioria dos membros do parlamento. Sendo que o primeiro-ministro britânico perdeu algum apoio desde o verão.

O apoio do Partido Democrático Unionista da Irlanda do Norte (DUP) é por isso fundamental para que o documento seja aprovado no parlamento. Esta manhã, o DUP disse que “tal como estão as coisas” não pode aceitar o pacto que Londres está a negociar com a União Europeia. Uma posição que foi entretanto reafirmada. Fonte interna do DUP citada pela agência France-Presse e pela Lusa disse, após o anúncio de um acordo pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e pelo presidente da comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que o comunicado emitido hoje de manhã “continua a refletir a posição” do partido.

Por outro lado, o partido Trabalhista de Jeremy Corbyn já fez saber que está contra o acordo alcançado entre Londres e Bruxelas e pede que o documento seja sujeito a referendo. “Pelo que sabemos, parece que o primeiro-ministro negociou um acordo ainda pior do que o de Theresa May, que foi esmagadoramente rejeitado”, declarou o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, num comunicado, citado pela Lusa. O líder trabalhista defende que o acordo “deve ser rejeitado” que “a melhor forma de resolver o Brexit é dar às pessoas a palavra final numa votação pública”.

(Notícia atualizada às 11:50 pela última vez)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Brexit: Londres e Bruxelas chegam a acordo