Brexit

Brexit: Mark Carney alerta para potencial crise financeira caso não haja acordo

Mark Carney, governador do Banco de Inglaterra
Mark Carney, governador do Banco de Inglaterra

O governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, acredita que um ‘Brexit’ sem acordo poderá propiciar uma crise do setor financeiro com repercussões globais, juntamente com outos fatores como o elevado nível de dívida ou um recuo da economia chinesa.

Numa entrevista difundida esta quarta-feira pela BBC, Carney diz que “não se pode descartar” que em algum momento se produza uma crise como a creditícia de 2008, que provocou o colapso do sistema financeiro global e recessões em vários países, incluindo o Reino Unido.

Segundo o governador, foram adotadas muitas medidas para “corrigir” os defeitos que o sistema financeiro tinha há dez anos, como melhorar a regulamentação e a capitalização dos bancos, mas não se deve cair na “autocomplacência”.

Entre os riscos que existem atualmente para o setor financeiro britânico, um dos maiores do mundo, Carney destaca “o fim sem acordo” das negociações entre Londres e Bruxelas para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Esta situação suporia “mudanças significativas” na maneira de operar do setor e “alteraria” a sua relação com os países da UE, afirma Carney na entrevista, concedida por ocasião do 10.º aniversário da crise de 2008, considerada a pior desde o início do século XX.

A segunda de quatro ameaças, para o governador do Banco de Inglaterra, é o elevado nível da dívida das famílias britânicas, que levou o banco central inglês a aumentar as restrições à concessão de crédito para minimizar o risco de incumprimento.

Outro fator que preocupa o governador é o enorme nível de dívida da economia chinesa, que é em boa parte responsável do crescimento global e que, “caso sofra uma mudança negativa”, atingiria todo o mundo, sublinha.

O quarto risco para os sistemas bancários e financeiros seria um potente ciberataque que inutilizasse os sistemas operativos dos bancos, alerta.

O economista canadiano, que aceitou prorrogar até janeiro de 2020 o seu mandato no banco central inglês com o objetivo de supervisionar o ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia), afirma que a instituição está a preparar-se para todas as hipóteses e assegura que os bancos britânicos são sólidos.

Em relação à crise de 2008, a BBC publica também hoje um relatório do Instituto de Estudos Fiscais que demonstra que, como consequência da mesma, os salários dos trabalhadores são hoje 3% inferiores aos de há dez anos.

Para os jovens de mais de 20 anos o declínio é de 5%, e para os que têm entre 30 e 39 a perda é de 7,2% ou menos, em média, 2.100 libras (2.360 euros) por ano do que há uma década.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Taxa de juro da nova dívida cai para mínimo histórico de 1,8% em 2018

Fotografia: REUTERS/ Carlos Barria

China põe marcas de luxo a bater recordes

notas

Crédito cresce nas famílias mas ainda encolhe nas empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Brexit: Mark Carney alerta para potencial crise financeira caso não haja acordo