Brexit

Brexit: May apresenta Plano B no parlamento britânico

Fotografia: REUTERS/Toby Melville
Fotografia: REUTERS/Toby Melville

Theresa May vai à Câmara dos Comuns fazer uma declaração pelas 14:30, na sequência da rejeição do acordo na terça-feira, por 432 contra 202 votos.

O parlamento e os britânicos vão conhecer esta segunda-feira os próximos passos que o Governo pretende dar no processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), após vários dias de reuniões entre a primeira-ministra e a oposição.

Theresa May vai à Câmara dos Comuns fazer uma declaração pelas 14:30, altura em que anunciará o seu ‘plano B’, na sequência da rejeição do acordo na terça-feira, por 432 contra 202 votos.

“Agora que os deputados deixaram claro o que não querem, temos todos de trabalhar juntos construtivamente para definir o que o parlamento quer”, disse May, na quarta-feira, após ‘sobreviver’ a uma moção de censura.

Nos últimos dias, Theresa May reuniu-se com o líder dos Liberais Democratas, Vince Cable, e os líderes parlamentares dos partidos nacionalista escocês (SNP), Ian Blackford, e galês (Plaid Cymru), Liz Roberts, todos opositores do ‘Brexit’ e favoráveis a um segundo referendo.

Na quinta-feira, a única deputada dos Verdes, Caroline Lucas, disse ter repetido “insistentemente uma vez e outra vez para descartar o [Brexit] ‘sem acordo'” por considerar que isso “distorce completamente as negociações, sabendo que o precipício está lá”.

Mas, a recusa de May em fazê-lo, alegando ser uma “condição impossível”, impediu o encontro com o líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, o principal partido da oposição.

“A primeira-ministra entrará em conversas fingidas para fazer passar o tempo e tentar chantagear os parlamentares para que votem no seu acordo mal-amanhado à segunda tentativa, ameaçando o país com o caos que a ausência de acordo vai trazer”, acusou Corbyn.

Outra das exigências dos partidos da oposição tem sido a extensão do período do artigo 50.º que, ao desencadear a saída do Reino Unido da UE, determinou um prazo de dois anos para as negociações, o qual acaba em 29 de março.

May argumenta que a alternativa para evitar a ausência de acordo está entre “revogar o artigo 50.º e reverter o resultado do referendo” de 2016 que ditou o ‘Brexit’, ou aprovar um acordo de saída.

A líder conservadora procurou também apoio no seu próprio partido, do qual 118 deputados votaram contra o acordo, divididos entre eurocéticos e pró-europeus, estes últimos dispostos a ceder em troca de uma saída da UE, mas com permanência numa união aduaneira.

Porém, também este cenário está afastado pela primeira-ministra porque impede a negociação de acordos comerciais com países terceiros.

Na noite de quinta-feira e na manhã de sexta-feira, May falou por telefone com líderes europeus, incluindo a chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, e os líderes da UE Jean-Claude Juncker e Donald Tusk.

A intervenção de May será acompanhada por uma moção para ser votada na semana seguinte, em 29 de janeiro, a qual os deputados poderão alterar, sugerindo diferentes alternativas para sair do impasse, incluindo um novo referendo.

Segundo a comunicação social britânica, uma proposta do conservador Nick Boles e da trabalhista Yvette Cooper – que forçaria o Governo a adiar o ‘Brexit’ se não for encontrado um consenso até março, tornando impossível a saída sem um acordo – poderá ter apoio interpartidário.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Brexit: May apresenta Plano B no parlamento britânico