Brexit

Brexit. Moody’s desce perspetiva do Reino Unido devido a “paralisia” política

EPA/ANDY RAIN
EPA/ANDY RAIN

A agência de notação Moody’s desceu a perspetiva do ‘rating’ do Reino Unido para ‘negativa’, argumentando que a sua capacidade de definição de políticas enfraqueceu na “era Brexit”, assim como o compromisso com a disciplina orçamental.

A Moody’s manteve, na sexta-feira, o ‘rating’ do Reino Unido em ‘Aa2’, mas a mudança da perspetiva, de estável para negativa, significa que pode baixar a nota que atribui ao país em breve.

A agência de ‘rating’ aponta dois fatores na origem da alteração. Por um lado, “as instituições do Reino Unido enfraqueceram, à medida que lutavam para lidar com a magnitude dos desafios políticos que enfrentam atualmente, incluindo os relacionados com a política orçamental”.

Por outro lado, indica a Moody’s, “a força económica e orçamental do Reino Unido será provavelmente mais fraca no futuro e mais suscetível a choques do que assumido anteriormente”.

No comunicado, a agência de notação financeira afirma que “a crescente inércia e, às vezes, a paralisia que caracterizaram o processo de formulação de políticas na era do ‘Brexit’ [saída dos britânicos da União Europeia] ilustraram como a capacidade e previsibilidade que distinguiram tradicionalmente a estrutura institucional do Reino Unido diminuíram”.

No comunicado, divulgado ontem, a Moody’s indica que “o ‘Brexit’ tem sido o catalisador da erosão na força institucional”.

Além disso, “para a Moody’s, o declínio da força institucional parece ser de natureza estrutural e provavelmente sobreviverá ao ‘Brexit’, face às profundas divisões na sociedade e no cenário político do país”.

Segundo a agência de notícias Bloomberg, o ‘rating’ do Reino Unido não é alvo de um corte há mais de dois anos, estando atualmente classificado como ‘AA’, o terceiro nível mais elevado, pela Standard & Poor’s, e em ‘AA-‘ pela Fitch, que, juntamente com a Moody’s são as três principais agências de notação financeira à escala mundial.

Standard & Poor’s e Fitch também têm a classificação atribuída ao Reino Unido com perspetiva negativa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Brexit. Moody’s desce perspetiva do Reino Unido devido a “paralisia” política