Brexit

Brexit: Portugal quer manter acesso a águas da Noruega

EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA
EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

A questão só será negociada depois do período de transição pós-'Brexit'. Portugal não tem qualquer quota direta de pesca em águas do Reino Unido.

Portugal tem interesse em manter, quando se negociar um acordo de pescas pós-‘Brexit’ com Londres, a situação que permite à Noruega pescar em águas britânicas em troca de acesso às suas, disse à Lusa fonte oficial.

“Até agora, o nosso principal interesse na pesca em águas do Reino Unido tem a ver – e esperemos que não haja alterações em 2019 e 2020 – com o facto de a Noruega poder aí pescar, nomeadamente, sarda e verdinho, em troca de possibilidades de pesca de bacalhau em águas da Noruega”, sendo que Portugal é um dos Estados-membros que captura bacalhau em águas territoriais norueguesas, segundo fonte oficial do Ministério do Mar.

No entanto, a mesma fonte admite que “não será mesmo nada fácil” a negociação.

Diretamente, Portugal não tem qualquer quota de pesca em águas do Reino Unido.

A questão do acesso dos navios de pesca da União Europeia (UE) a águas britânicas terá que ser negociada depois de terminar o período de transição pós-‘Brexit’.

Os líderes dos 27 validaram no domingo, numa cimeira extraordinária em Bruxelas, o acordo de saída do Reino Unido da UE e a declaração política da relação futura entre as partes.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, notificou por escrito esta segunda-feira o parlamento britânico de que o Governo alcançou um acordo para a saída da UE, agendada para 29 de março de 2019, onde o documento deverá ser votado nas próximas semanas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Brexit: Portugal quer manter acesso a águas da Noruega