Banco de Portugal

Brexit sem acordo pode cortar crescimento para 1,3% em 2020

Manifestante contra o Brexit junto ao Parlamento britânico. (REUTERS/Hannah Mckay )
Manifestante contra o Brexit junto ao Parlamento britânico. (REUTERS/Hannah Mckay )

Cenário alternativo de saída do Reino Unido pode cortar crescimento em três décimas em 2020 e seis em 2021.

Não é o pior dos cenários possíveis, mas é pior do que aquele que serve de base às projeções de crescimento da economia em 1,6% nos próximos dois anos, avançadas esta quarta-feira pelo Banco de Portugal. Uma saída do Reino Unido sem acordo até ao final de outubro equivalerá a uma subida do PIB de apenas 1,3% no próximo ano e de 1% em 2021.

O cenário alternativo a um soft Brexit é projetado no Boletim Económico apresentado hoje, fazendo conta a uma redução nas exportações para o Reino Unido e para outros países da Zona Euro, nos efeitos diretos e indiretos, respetivamente, da falta de um acordo negociado com Bruxelas para o pós-Brexit.

Neste cenário, não se prevê uma saída desordenada, que seria ainda pior para Portugal. A ideia é que os países da UE continuarão as trocas com o Reino Unido sob as regras da Organização Mundial de Comércio, e que haverá medidas de contingência para evitar um colapso na circulação de bens e pessoas, mantendo-se a estabilidade financeira.

É ainda um cenário “relativamente beningno” e sobre o qual há elevado grau de incerteza, admite o Banco de Portugal. “Um cenário de saída desordenada teria efeitos mais gravosos”, diz.

As projeções do Banco de Portugal fazem contas a uma quebra de 3,5% no PIB britânico em 2021, com uma redução de importações de 18%. O impacto deste tipo de saída implicará, por seu turno, menos 0,4% de crescimento na Zona Euro.

Os dados do Banco de Portugal não assumem qualquer efeito positivo na entrada de investimento para o país por efeito do Brexit, mas a instituição admite que políticas económicas mais vigorosas possam contribuir para mitigar os efeitos de uma saída sem acordo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Termina greve dos motoristas

Francisco São Bento, presidente do SNMMP. Foto: Sara Matos/Global Imagens

Cinco momentos chave numa greve de sete dias

Outros conteúdos GMG
Brexit sem acordo pode cortar crescimento para 1,3% em 2020