União Europeia

Bruxelas adia aplicação de regras mais duras na venda de seguros

Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia e responsável pela área dos serviços financeiros.
Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia e responsável pela área dos serviços financeiros.

A diretiva que reforça a responsabilidade dos mediadores tem se ser transposta pelos Estados membros até 23 de fevereiro.

Subscrever um seguro para proteção face a uma situação que depois o seguro não cobre é um dos pesadelos que a nova diretiva que entra em vigor neste ano pretende evitar.
As novas regras para a distribuição de seguros colocam mais responsabilidade em quem vende seguros e produtos de investimento com base em seguros (produtos de capitalização e ligados a fundos de investimento). A diretiva vai aplicar-se a agentes e corretores de banca-seguros, mediadores e seguradoras, mas também a agências de viagens e empresas de aluguer de automóveis.

Mas os mais de 21 mil mediadores de seguros a operar em Portugal vão ter mais tempo para se ajustar à nova era de proteção do consumidor de seguros. No total, representam uma faturação de 800 milhões de euros. A Comissão Europeia (CE) propôs adiar por sete meses, para o dia 1 de outubro deste ano, o prazo final para a aplicação das regras mais exigentes para quem vende estes produtos. Mas mantém-se, para já, a data de 23 de fevereiro para a transposição da Diretiva 2016/971 de distribuição de seguros (ou IDD, na sigla em inglês).

A nova diretiva coloca mais responsabilidades no lado dos mediadores para combater a venda inadequada ou mesmo a venda enganosa. Por exemplo, impõe formação obrigatória para o exercício da atividade. Para as empresas e agentes do setor, implica gastos com a profissionalização, formação e compliance (cumprimento das regras).

Proteger o consumidor

O objetivo é que os consumidores estejam mais protegidos da venda de produtos que depois não lhes servem, sejam apenas seguros ou incluindo poupança. “Quem vende seguros tem de ser responsável por ajustar o produto às necessidades e exigências do consumidor”, afirmou Margarida Lima Rego, jurista na Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e professora na Faculdade de Direito da Universidade Católica. “Os seguros são produtos complexos e muitas vezes os consumidores acabam por ser enganados “, disse.

Juristas aguardam para ver em detalhe como será transposta a diretiva para o regime jurídico português. A proposta de adiamento da CE foi feita no dia 20 de dezembro depois de o Parlamento Europeu ter indicado que “o setor poderá precisar de mais tempo para implementar as alterações técnicas e organizacionais necessárias para dar cumprimento” aos regulamentos. Dezasseis Estados membros manifestaram o seu apoio à proposta do Parlamento Europeu. O setor terá um período de ajustamento, que estava previsto ser até 23 de fevereiro de 2019.

“Há uma cultura de não divulgar os nomes de infratores e o regulador devia divulgá-los e distinguir quem tem boas práticas”

Além desta diretiva, há mais regulação a entrar em vigor, tanto financeira como de proteção de dados, que abrangem os seguros.

Uma das consequências esperadas é a redução do número de mediadores, com os mais pequenos a não conseguirem fazer face aos custos mais elevados.

Segundo dados de 2016 da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, operam em Portugal 73 seguradoras e o setor emprega mais de dez mil trabalhadores.

Vender gato por lebre vai ser mais difícil

Uma empresa de transporte de resíduos perigosos contratou um seguro e quando foi preciso acioná-lo constatou que não existia cobertura. Isto porque estava na apólice uma cláusula fatal: aquele seguro não se aplicava quando estivessem envolvidos veículos. Este exemplo não é fictício. Aconteceu com uma transportadora portuguesa.

Há mais casos. Como o de um cliente sem descendentes que subscreveu um produto de capitalização pagando um prémio mais elevado para que pudessem ser pagas compensações aos descendentes que não tinha. “Estava a deitar dinheiro ao lixo”, afirmou a jurista Margarida Lima Rego. Noutra situação, empresas fabricantes de rolhas subscreveram um seguro de responsabilidade civil do produtor para proteger o consumidor de algum problema envolvendo o produto em causa. Acontece que os produtores de rolhas não vendem a consumidores finais. Pode ser um seguro adequado, por exemplo, a um fabricante de cadeirinhas de bebé, mas que não é próprio para um fabricante de rolhas. “Procura-se vender o seguro mais barato sem atender às necessidades e exigências do cliente. Um exemplo é a exclusão de risco sísmico, muitas vezes sem o cliente se aperceber”, disse a mesma jurista.

Resta sempre a possibilidade de reclamar. Recorrer ao Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros é um modo fácil e barato de resolver conflitos de seguros. Trata-se de uma entidade autorizada pelo Ministério da Justiça e o tempo médio de resolução ronda os 90 dias.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Bruxelas adia aplicação de regras mais duras na venda de seguros