Previsões da Primavera

Bruxelas censura modelo de crescimento do Governo

António Costa e Mário Centeno. Fotografia: Mário Cruz/EPA
António Costa e Mário Centeno. Fotografia: Mário Cruz/EPA

Políticas para devolver rendimento às famílias, como as que apoiam pobres, são ineficazes em termos de potencial de crescimento, diz a CE

As políticas do governo para devolver rendimento às famílias, como as que apoiam os pobres e o aumento do salário mínimo, são ineficazes em termos de potencial de crescimento da economia, no médio a longo prazo, diz Bruxelas. Mais impostos também prejudicam, insiste.

Em 2016, o país até vai crescer menos por causa da subida dos impostos indiretos (sobre o consumo). A Comissão reviu, inclusive, ligeiramente em baixa a taxa de evolução do PIB de 1,6% para 1,5%.

Segundo as novas projeções da primavera, divulgadas nesta terça-feira, o executivo europeu critica as opções políticas do governo em várias frentes.

Enquanto o executivo de António Costa defende que a devolução de rendimentos ajudará a prazo a criar mais riqueza e com isso a conter o défice, combatendo em simultâneo a pobreza e as desigualdades sociais, Bruxelas considera a situação de forma distinta.

“Espera-se que o consumo privado perca força em 2016 e 2017 devido aos impostos indiretos mais elevados e a uma ligeira recuperação nos preços de energia”.

Além disso, “a forte recuperação do consumo de bens duradouros [como carros] no primeiro semestre de 2015 não será mantida a médio prazo”, como também se prevê que os “níveis ainda elevados de endividamento e o elevado desemprego mantenham uma pressão cada vez maior sobre a poupança das famílias”.

Mas, claro, a CE aceita que o crescimento de curto prazo do consumo privado surge “apoiado por medidas de política, como as várias ações de apoio aos rendimentos mais baixos e o aumento do salário mínimo”.

(em atualização)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Bruxelas censura modelo de crescimento do Governo