Ferrovia

Bruxelas chumba fusão entre ferroviárias Siemens e Alstrom

Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência. REUTERS/Yves Herman
Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência. REUTERS/Yves Herman

A Comissão Europeia rejeitou a fusão entre as atividades ferroviárias da tecnológica alemã Siemens e a industrial francesa Alstrom.

O chumbo foi anunciado esta quarta-feira pela Comissão Europeia através do Twitter. Bruxelas justifica a decisão dizendo que as duas empresas não tomaram medidas para minimizar as preocupações no que toca às questões de concorrência. A comissária europeia da Concorrência, Margrethe Vestager, deu esta manhã uma conferência de imprensa para explicar a decisão.

Segundo Vestager, o negócio “iria reduzir significativamente a concorrência nos mercados dos sistemas de sinalização ferroviária e dos comboios de alta velocidade” porque a fusão das duas empresas iria criar “uma posição dominante” no setor a nível europeu.

“A fusão poderia ter sido aprovada se os remédios que foram apresentados tivessem dado garantias de concorrência, mas os remédios propostos não foram suficientes para acabar com as nossas preocupações”, sublinhou a comissária.

O chumbo da fusão entre as duas gigantes europeias já era esperado. Ainda esta manhã o ministro francês da Economia tinha antecipado a decisão de Bruxelas. Bruno Le Maire disse em entrevista à France 2 que a posição das autoridades europeias é “um erro económico” porque bloqueia a criação de um gigante ferroviário europeu, o que favorece a chinesa CRRC e, consequentemente, “os interesses económicos e industriais da China”.

Com Lusa

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas. Novo Banco custa mais 0,3% do PIB em 2020, vírus não se sabe

(D.R.)

Compras portuguesas de cereais estão seguras. Consumo já cai e volta ao bairro

autoeuropa coronavirus

Siza Vieira: Nem estado de emergência impede Autoeuropa de reabrir a 20 de abril

Bruxelas chumba fusão entre ferroviárias Siemens e Alstrom