Bruxelas

Bruxelas. “Limites de capacidade” quebram crescimento do Turismo

Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens
Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens

Comissão Europeia assume que fluxo de turistas cresceu para cerca de 7% do PIB em 2016. Mas prevê ligeira quebra

A Comissão Europeia não detalha quais, mas admite que “os limites de capacidade” existentes em Portugal vão determinar um menor contributo do Turismo para a economia.

No ano passado, Bruxelas assume que “os fluxos estrangeiros de turismo cresceram para quase 7% do PIB”, e projeta para 2017, que este contributo dos turistas se mantenha forte.

Mas este contributo, que é aferido pelo INE e Banco de Portugal nos dados relativos às exportações, não está a ser utilizado na máxima capacidade.

“As projeções apontam para que se mantenha forte, embora os limites de capacidade apontem para um ligeiro enfraquecimento da taxa de crescimento no pico do verão”, sinaliza a Comissão Europeia nas suas previsões de primavera divulgadas esta quinta-feira.

Bruxelas lembra que “tanto as exportações como importações cresceram mais do que o esperado em 2016” e acrescenta que se fortaleceram no início de 2017.

A previsão para este ano aponta para um crescimento de 4,4% nas vendas ao exterior, um valor que iguala o de 2016, e ligeira quebra para 4,2% de crescimento um ano depois.

Quanto às compras ao estrangeiro, que no ano passado cresceram na mesma medida das exportações (4,4%), em 2017 voltam a superar as vendas. O crescimento esperado pela Comissão Europeia é de 5,2%, quebrando para 4,5% em 2018.

A Comissão admite que “as exportações de bens vão beneficiar de uma maior procura por parte dos parceiros de negócio. As importações, no entanto, vão crescer mais depressa devido à recuperação do investimento”.

Resultado: a balança de conta corrente vai manter-se positiva, em 0,5% do PIB. Já “a ligeira deterioração da balança de bens e serviços vai ser compensada por uma melhor performance no rendimento primário e secundário”. Isto é tanto nos rendimentos provenientes de salários, rendas ou juros bancários, como nas transferências sociais, como as prestações sociais.

Bruxelas aponta ainda o Turismo como o grande foco de criação de emprego durante este ano, mas admite que a recuperação do setor da construção também esteja a determinar um maior crescimento dos postos de trabalho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Foto - Leonardo Negrao

Deco: seguros de saúde não cobrem coronavírus, seguros de vida sim

Foto: D.R.

Easyjet. Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

Bruxelas. “Limites de capacidade” quebram crescimento do Turismo