oe2020

Bruxelas pede a Centeno 1,4 mil milhões em novas medidas para acertar OE2020

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Foto: TIAGO PETINGA/LUSA
O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Foto: TIAGO PETINGA/LUSA

Resposta das Finanças pode não acontecer. Novo governo ainda não tomou posse e esta Comissão Europeia só tem mais um mês e uma semana de vida.

A proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) precisa, no entender da Comissão Europeia, do equivalente a 1,4 mil milhões de euros em novas medidas para que Portugal cumpra o ajustamento orçamental permanente (estrutural) combinado com a Europa em meados de 2019. Problema: esta Comissão Europeia está na reta final do seu mandato e o novo governo de Portugal, o responsável por esta resposta, ainda não tomou posse.

No arranque do chamado “diálogo orçamental” entre Bruxelas e os países da zona euro, que começou esta segunda-feira com o envio dos esboços orçamentais de 2020, a atual Comissão começou a responder a alguns países, pedindo mais medidas e que algumas dúvidas sejam esclarecidas. Foram seis os países que receberam cartas de aviso: Portugal, Bélgica, Finlândia, França, Itália e Espanha.

A missiva assinada por Valdis Dombrovskis, o ainda vice-presidente da Comissão com a tutela do euro, e Pierre Moscovici, o ainda comissário dos Assuntos Económicos, reconhecem que o esboço orçamental português não tem medidas novas planeadas para 2020, apenas conta com os efeitos das medidas “adotadas até à data”.

Nem podia ser de outra forma, muito menos tendo em conta a situação política em Portugal. Houve eleições a 6 de outubro e o no governo ainda não está em funções.

Em princípio isso pode acontecer no próximo sábado. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse ontem que “reservou” o sábado de manhã para dar a posse ao novo elenco do primeiro-ministro indigitado, António Costa.

Outra vez “desvio significativo”

Para a Comissão Juncker (esboço e carta podem ser consultados aqui), o risco de haver “um desvio significativo” face ao que ficou combinado com a Europa (Conselho) a 9 de julho último é real. Na prática, esta carta (como todas as outras que foram enviadas nos últimos anos por ocasião da submissão dos esboços orçamentais) acaba por ser um género de caderno de encargos para o governo no ano seguinte. Neste caso, para o próximo executivo.

Pelas contas da Comissão, o desvio volta a ser grande. O ministro das Finanças Mário Centeno enviou um plano orçamental (cenário de políticas constantes, isto é, sem novas medidas) em que o saldo público estrutural (saldo expurgado de medidas temporárias e cíclicas medido em função do produto interno bruto potencial) diminui num valor equivalente a 0,2% do PIB potencial (cerca de 400 milhões de euros, assumindo um PIB potencial em redor dos 200 mil milhões de euros anuais).

A CE diz que não foi isso que ficou combinado: esse saldo devia aumentar o equivalente a 0,5% do PIB, isto é, cerca de mil milhões de euros.

A soma das duas parcelas dá os referidos 1,4 mil milhões de euros: o valor que permite neutralizar o desvio negativo apresentado por Centeno mais a outra parcela que permite chegar ao ajustamento desejado pela Comissão, segundo as suas contas.

Mais calma na despesa, pede Comissão Juncker

Bruxelas avisa ainda que o trabalho (novas medidas) vai ter de ser feito com mais contenção na despesa, sobretudo, já que o indicador de referência aponta para um crescimento dos gastos públicos que é mais do dobro face ao recomendado.

“Esta expansão orçamental fica aquém do ajustamento estrutural recomendado de 0,5% do PIB. O Projeto de Plano Orçamental [PPO, o denominado esboço] projeta uma taxa de crescimento nominal da despesa pública líquida primária de 3,9%, que excede o aumento máximo recomendado de 1,5%”, refere a carta.

“Em geral, estes elementos parecem não estar em conformidade com os requisitos de política orçamental estabelecidos na recomendação do Conselho de 9 de julho de 2019, uma vez que apontam para um risco de desvio significativo em 2020 e, ao longo de 2019 e 2020, no que se refere ao esforço fiscal recomendado”, acrescenta o mesmo documento.

Assim, Bruxelas pede um “plano orçamental atualizado” e “o mais cedo possível”.

O Dinheiro Vivo perguntou ao ministério de Mário Centeno se vai responder a estas dúvidas da Comissão. Fonte oficial diz que “não comenta”.

Zona cinzenta

De facto, este diálogo cai num certo vazio, um género de zona cinzenta. O novo governo de Portugal (PS), o que vai fazer o novo OE2020, ainda não tomou posse, como referido.

Da mesma forma, a Comissão liderada por Jean-Claude Juncker está nos seus últimos dias, pelo que os interlocutores deste diálogo vão mudar em breve.

O porta-voz do Parlamento Europeu, Jaume Duch, refere que “o Parlamento pretende votar [na nova Comissão, que será liderada por Ursula von der Leyen] a tempo de permitir que esta comece a trabalhar a 1 de dezembro”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Bruxelas pede a Centeno 1,4 mil milhões em novas medidas para acertar OE2020