Coronavírus

Bruxelas pede aos países do G20 uma resposta coordenada à pandemia

Presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen e Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel 
 (Photo by kenzo tribouillard / AFP)
Presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen e Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

“Eventos sem precedentes exigem ações sem precedentes”, argumentam Ursula von der Leyen e Charles Michel, que pedem uma ação global “rápida, massiva e coordenada”

A Comissão Europeia quer que os países do G20 coordenem as suas políticas macroeconómicas, “mobilizando todos os instrumentos disponíveis, para mitigar a crise económica, apoiar os trabalhadores e as empresas mais afetadas” pela pandemia da covid-19. Ursula von der Leyen, presidente da comissão, e Charles Michel, líder do Conselho Europeu, participaram, na manhã desta quinta-feira, na cimeira extraordinária do G20 que decorreu por videoconferência.

A reunião extraordinária foi convocada pela Arábia Saudita, que atualmente ocupa a presidência do G20. Em comunicado, Charles Michel e Ursula von der Leyen dão conta que “agradeceram a todos os líderes do G20 pela solidariedade demonstrada à União Europeia e a seus Estados-Membros mais afetados pela crise” e que garantiram que a UE “está comprometida” com a cooperação internacional para combater a pandemia e “vai continuar a ajudar países e comunidades vulneráveis em todo o mundo, especialmente na África”.

E porque “eventos sem precedentes exigem ações sem precedentes”, os dois líderes europeus defenderam a necessidade de uma ação global “rápida, massiva e coordenada” nas frentes da Saúde e da Economia, para “salvar vidas e evitar uma nova crise económica”. O G20 tem “um papel fundamental para garantir essa coordenação global”, sublinham.

Além da coordenação das políticas macroeconómicas, a Europa pede que não sejam impostas novas restrições ao comércio. “Para limitar o impacto económico nas nossas economias – e para manter a nossa capacidade de fabricar e fornecer os equipamentos médicos e de proteção necessários – é imperativo mantermos os fluxos comerciais e as cadeias de suprimentos abertos e evitar novas restrições”, pode ler-se no comunicado.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Bruxelas pede aos países do G20 uma resposta coordenada à pandemia