Tecnologia

Bruxelas quer futuro digital da UE assente em dados e IA transparente

Ursula Von der Leyen,
Ursula Von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. EPA/OLIVIER HOSLET

Plano de ação da União Europeia compreende uma estratégia para dados e desenvolvimento de IA ética.

Ursula von Der Leyen, presidente da Comissão Europeia, levantou a ponta do véu sobre o plano da Europa para “moldar o futuro digital da Europa”. Em comunicado da Comissão, von der Leyen afirma que este plano “cobre tudo, desde cibersegurança até infraestruturas críticas, educação digital até competências e democracia e media. Quero que a Europa digital reflita o melhor da Europa – aberta, justa, diversa, democrática e confiante”. De acordo com o jornal espanhol El País, a União Europeia irá mobilizar mais de 20 mil milhões de euros por ano para alavancar a resolução digital.

Este plano de ação assenta em dois grandes pontos: um plano para a economia de dados, com a estratégia europeia para dados, e um enquadramento para o desenvolvimento de inteligência artificial assente em ética e transparência.

No plano de dados, um documento com 35 páginas, Bruxelas traça várias áreas de ação, com o objetivo de “ser um modelo e líder para uma sociedade habilitada por dados”. Uma das medidas é a criação de um mercado único de dados, que permitirá a “circulação livre entre a União Europeia e os dados de vários setores, para benefício de negócios, investigadores e administração pública”.

De acordo com a Comissão Europeia, isto permitirá que os dados estejam acessíveis a todos, desde o setor público até ao privado, startups ou gigantes. “Cidadãos, empresas e organizações devem ser habilitados a tomar melhores decisões baseadas em insights retirados de dados que não sejam pessoais”, explica a Comissão Europeia, no comunicado.

Para atingir isto, a Comissão Europeia propõe a criação de um quadro regulatório que compreenda a área de governança de dados, acesso e reutilização entre os vários agentes. Bruxelas propõe, assim, a “criação de incentivos à partilha de dados, estabelecimento de regras que sejam práticas, justas e claras, que estejam em conformidade com as regras e valores europeus sobre dados pessoais, proteção do consumidor e regras de concorrência”.

Na área da inteligência artificial, a União Europeia já tinha apresentado alguns planos e diretrizes para um desenvolvimento ético deste tipo de tecnologia, em 2019. Agora, Bruxelas volta à carga, num documento que frisa a necessidade da transparência e confiança para alavancar a área da IA na Europa. “Em parceria com os setores privados e públicos, o objetivo é mobilizar os incentivos certos para acelerar a implementação da IA, incluindo nos negócios de pequenas e médias dimensões”. Nesta estratégia, a UE quer que as regras da IA sejam claras e que tenham em conta as regras europeias já estabelecidas na área da privacidade e proteção de dados pessoais.

A União Europeia defende que os sistemas de IA devem ser transparentes e capazes de permitir a rastreabilidade nas decisões. “As autoridades devem poder testar e certificar os dados usados por algoritmos, tal como se verificam os componentes em cosméticos, carros ou brinquedos”. Revelando preocupação com o preconceito implícito em sistemas de IA e reconhecimento facial, a Comissão Europeia revela que pretende lançar um novo debate sobre o tema do reconhecimento facial.

Mesmo com o plano fortemente centrado na capacidade competitiva da tecnologia na UE, a Europa não fecha a porta a outros concorrentes, mas deixa o aviso a quem tenha aplicações de IA. “Todas as aplicações de IA são bem-vindas no mercado europeu, desde que atuem em conformidade com as regras da União Europeia”.

Próximos passos

A Comissão Europeia define que, tendo em conta este novo plano, apresentará no final do ano mais medidas para a área dos serviços digitais, assim como um plano de ação para a democracia europeia.

Por agora, já é possível consultar o white paper sobre a área da inteligência artificial, que estará em consulta pública até ao próximo dia 19 de maio de 2020. É possível que qualquer pessoa dê o seu parecer sobre o tema. Consoante as opiniões recebidas, a Comissão Europeia irá fazer as alterações necessárias ao documento.

Atualizado às 16h42, para incluir informação sobre investimento da UE.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa e Silva, responsável pelo plano para a economia nacional nos próximos dez anos.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Plano de Costa Silva. As bases estão lá, falta garantir boa execução

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Risco de austeridade? “Depende de como evoluir a economia”

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )Filipe Santos
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Há um conjunto de empreendedores que vai continuar

Bruxelas quer futuro digital da UE assente em dados e IA transparente