internacionalização

Business on the way. AEP tem 4,4 milhões de euros para apoiar as empresas

Paulo Nunes de Almeida, presidente da AEP. Fotografia: Artur Machado / Global Imagens
Paulo Nunes de Almeida, presidente da AEP. Fotografia: Artur Machado / Global Imagens

EUA, Irlanda, Israel e Polónia são os quatro mercados em análise na 1ª conferência internacional BOW, o plano de apoio à internacionalização da AEP

A Associação Empresarial de Portugal tem já aprovado o plano de apoio à internacionalização das empresas portuguesas para 2018. O Business on the way tem 38 ações previstas em 24 países diferentes, num investimento de 4,4 milhões de euros, pouco mais ou menos o mesmo deste ano. O BOW de 2017 apoiou os esforços de crescimento externo de 250 empresas. Letónia, Estónia, Guiné Equatorial e Uzbequistão foram os novos mercados abordados. E o balanço é positivo. “O BOW fecha com uma taxa de concretização bastante elevada. Temos tido uma reposta muito afirmativa por parte das empresas, provando que este é o caminho”, diz o presidente da AEP, Paulo Nunes de Almeida.

 

Estados Unidos, Irlanda, Israel e Polónia são os quatro mercados em análise na primeira conferência internacional Business On the Way, que a associação organiza, esta terça-feira, 21 de novembro, na sede da AEP em Leça da Palmeira. Apesar das exportações nacionais para estes mercados registarem já uma “forte dinâmica”, com taxas médias de crescimento a dois dígitos nos últimos anos – a exceção são os EUA, cujo crescimento médio foi de 7,6% -, a convicção dos responsáveis da AEP é que o potencial de desenvolvimento é, ainda, imenso. Miguel Frasquilho, presidente da TAP, Luís Amaral, presidente executivo do grupo Eurocash, e João Taborda, vice-presidente do grupo Embraer são alguns dos oradores confirmados no evento.

A AEP tem dado particular atenção aos Estados Unidos, delineando um programa de apoio à internacionalização especialmente focado nesta geografia, por acreditar que este mercado “tem todas as condições” para, a médio prazo, estar no top 3 dos maiores destinos das exportações nacionais. Hoje ocupa a quinta posição. “Independentemente das questões de natureza políticas, negócios são negócios e os EUA têm vindo a crescer a um ritmo bastante superior ao da média da União Europeia e que, por isso, deve, ser tido em conta pelas empresas portuguesas. Não é um mercado fácil, mas os empresários portugueses não têm medo de competir em mercado nenhum. Com ou sem acordo de comércio de livre comércio”, diz Paulo Nunes de Almeida, presidente da AEP.

Já Israel foi escolhido pelo impacto que o relacionamento comercial pode ter ao nível da inovação nas empresas. “É o país com maior número de doutorandos e engenheiros nas empresas e que tem um ambiente muito propício à iniciativa das start-up e novos projetos. É um bom exemplo pelo benchmarking que as empresas portuguesas possam fazer com Israel”, refere o dirigente associativo, apontando que o crescimento acumulado do PIB israelita entre 2000 e 2016 foi de 69%. O americano foi de 33,1% versus os 23,6% da média da UE. O português ficou-se pelos 4,6%.
O contraste é, ainda, maior quando se analisa o crescimento da Irlanda, o país da UE com maior subida neste período: 103,4%. “A Irlanda pode vir a beneficiar do efeito ‘brexit’”, acredita Paulo Nunes de Almeida. Significativo é o título escolhido para o painel irlandês: “De igual a Portugal nos anos 80 a 2,5 vezes o PIB per capita português”.

Por fim, a Polónia, um país cujo PIB cresceu 75,4% entre 2000 e 2016, a 7ª evolução mais positiva na UE, e que, este ano, deverá aumentar 4,8%. “Estratégias e desafios para alcançar o Top 10 no ranking das relações comerciais com Portugal” foi o tema escolhido, sendo que Luís Amaral dará a conhecer, precisamente, as lições dos sucessos e insucessos que aprendeu na Polónia.”Apesar de ser um país com uma dívida pública muito baixa, na ordem dos 50% – Portugal está nos 130% – e com uma política macroeconómica muito amiga do investimento e das empresas, representa, ainda, apenas 1,2% das exportações nacionais”, lembra o presidente da AEP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Saída de clientes da EDP já supera as entradas

Outros conteúdos GMG
Business on the way. AEP tem 4,4 milhões de euros para apoiar as empresas