Matérias-primas

Cacau em excesso. Chocolate vai ficar mais barato

A colheita da Costa do Marfim chegará este ano pela primeira vez a um recorde histórico de dois milhões de toneladas métricas.

Depois de anos de muita procura e preços elevados, a oferta de cacau começa agora a superar a procura e a ameaçar uma redução drástica nos preços do chocolate a nível mundial.

De acordo com a Bloomberg, a colheita da Costa do Marfim chegará este ano pela primeira vez a um recorde histórico de dois milhões de toneladas métricas, segundas as previsões de seis negociadores e exportadores de cacau. Desta forma, cairá por terra o recorde anterior de 1,8 milhões de toneladas métricas registado em 2014/2014.

No passado, os anos de escassez da matéria-prima e os preços elevados levaram os produtores de cacau a aumentar o seu investimento e o número de plantações. A questão é que muitas dessas novas plantações estão agora a começar a produzir os primeiros frutos e a contribuir para um excesso de produção.

Além disso, as condições meteorológicas também ajudaram a compor o cenário de produção excessiva: muita chuva e menos ventos prejudiciais provenientes do deserto do Saara. Como consequência, refere o El Economista, os cerca de 800 mil pequenos produtores de cacau da Costa do Marfim têm assim mais grãos do que nunca para vender nos mercados de matérias primas que abastecem a indústria mundial de chocolates e guloseimas.

Uma colheita tão abundante coloca imediatamente o risco de pressão sobre os preços e uma ameaça grave para a economia da Costa do Marfim, para a qual o cacau é a maior fonte de receitas ao nível da exportação.

Diz a Bloomberg que está previsto para este ano um superávite mundial de cacau na ordem das 300 mil toneladas, com os futuros da matéria-prima negociados em Londres a caírem já 30% no final do ano passado, desde que chegaram aos preços máximos dos últimos seis anos em julho de 2016. Os valores mais elevados pagam a tonelada de cacau a um preço de 2.107 dólares.

Os analistas acreditam que o mercado do cacau entrou assim num período de superávite estrutural, sendo de prever produção em excesso nos anos que se avizinham, muito por causa das novas plantações e também da aposta em novas variedades da planta do cacau, capazes de começar a produzir fruto no espaço recorde de 18 meses.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Cacau em excesso. Chocolate vai ficar mais barato