Comércio internacional

Calçado. Exportações cresceram 11,2% em abril

Calçado. Fotografia: Pedro Correia/Global Imagens
Calçado. Fotografia: Pedro Correia/Global Imagens

Performance de abril não permitiu, ainda, inverter a tendência desde o início do ano: vendas ao exterior são 2,3% inferiores ao período homólogo

Abril foi um bom mês para as exportações portuguesas de calçado, que cresceram 11,2% face ao período homólogo, impulsionadas pelos mercados comunitários, que registaram um acréscimo de 13,5%. As vendas extracomunitárias caíram 3,2%. Uma performance que ainda não foi suficiente para compensar a tendência negativa do sector no arranque do ano, com o acumulado das exportações dos primeiros quatro meses a caírem 2,3%.

No total, as empresas portuguesas de calçado arrecadaram 621,5 milhões de euros de vendas nos mercados externos, dos quais 539,4 milhões na União Europeia (menos 1,7%). Dos cinco maiores compradores de calçado nacional, só a Espanha e o Reino Unido crescem no quadrimestre: 62,4 milhões de euros, um aumento homólogo de 1%, em Espanha; 38,5 milhões, mais 3,1%, em Inglaterra. A França, o maior mercado de exportação de calçado, caiu 2,8% para 139.,7 milhões de euros, a Alemanha recua quase 2% para 114 milhões de euros e a Holanda recuou 1,2% e ficou-se pelos 83,4 milhões de euros.

Os Estados Unidos, o mercado eleito como a grande aposta estratégica do sector em 2018, está a cair 13,5%, num total de 20,2 milhões de euros exportados entre janeiro e abril de 2018.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Fotografia: REUTERS/Eloy Alonso

Santander anuncia fecho de 140 balcões no Reino Unido

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Calçado. Exportações cresceram 11,2% em abril