IMI

IMI: Câmaras vão passar a definir a avaliação dos imóveis

Fotografia: Rui Oliveira / Global Imagens
Fotografia: Rui Oliveira / Global Imagens

Entre as várias mudanças, os municípios vão poder gerir a decisão das reclamações dos proprietários

As câmaras municipais vão passar a ser responsáveis pela avaliação de edifícios para a cobrança do imposto municipal sobre imóveis (IMI). A Autoridade Tributária (AT) passará apenas a estar responsável pela receção dos pagamentos. Esta medida consta da proposta de lei do Governo relativa à descentralização de competências para os municípios e deu entrada no Parlamento na quarta-feira.

Com a responsabilidade pela avaliação de edifícios, as câmaras municipais também serão a única entidade a designar e contratar os peritos avaliadores para definir o valor do património, os pedidos de reavaliação de imóveis e a decisão das reclamações dos proprietários, escrevem o Jornal de Notícias e o Jornal de Negócios esta sexta-feira.

O diploma será discutido em 16 de março no Parlamento e, depois de aprovado, o Governo compromete-se a introduzir alterações no código do IMI no prazo de 180 dias (seis meses).

Ao Jornal de Notícias, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, Paulo Ralha, mostra-se agradado com esta mudança e acredita que esta medida não vai trazer grandes alterações nos montantes de IMI cobrados. Paulo Ralha diz que as regras nacionais, como o custo por metro quadrado de referência, “não dão grande margem para discricionariedades”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
IMI: Câmaras vão passar a definir a avaliação dos imóveis