Campos e Cunha: “É absurdo reclamar a reestruturação da dívida”

Luís Campos e Cunha, antigo ministro das Finanças
Luís Campos e Cunha, antigo ministro das Finanças

O antigo ministro das Finanças Luís Campos e Cunha considerou hoje "absurdo" uma eventual reestruturação da dívida, explicando que isso provocaria a queda do valor atual da dívida, implicando logo depois a ajuda estatal ao sector financeiro português.

“É absurdo reclamar a restruturação da dívida”, disse Luís Campos e Cunha, durante um seminário organizado pela Cátedra Jean Monnet da Universidade de Lisboa, com o apoio da Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES), onde foi moderador e esteve presente enquanto professor da Universidade Nova e presidente daquela associação.

O tema da reestruturação da dívida tem sido abordado diversas vezes e hoje o jornal Público noticiou que os economistas Ricardo Cabral, Francisco Louçã, Eugénia Pires e Pedro Nuno Santos propõem um programa sustentável para a reestruturação da dívida portuguesa.

Segundo diz o jornal, os autores defendem que este programa não solicita um “perdão” da dívida, antes leva a uma negociação com os credores defendendo os interesses de um Estado que recupera a sua soberania, pelo que o método proposto não passa por um ‘haircut’ [espécie de perdão da dívida], que “anule” uma parte da dívida, mas antes por “uma combinação de um adiamento da amortização da dívida com uma redução mais substancial dos juros”.

Leia também: Quatro economistas propõem reestruturação de 249,7 mil milhões de euros de dívida

Em declarações à comunicação social, Campos e Cunha reforçou, de uma maneira geral, que “não seria possível” a renegociação dos termos e dos prazos da dívida, porque “isso significa sempre que o valor atual da dívida cai e que o balanço dos bancos fica imediatamente reduzido”.

“É igual a um ‘haircut’. Desse ponto de vista, no dia seguinte, o Estado teria de estar a ajudar o setor bancário português e o setor financeiro em geral”, disse o antigo ministro das Finanças, lembrando que boa parte da dívida titulada no mercado está na mão de instituições financeiras nacionais, como bancos e empresas de seguros, “que não poderiam seguramente ir à falência”.

Campos e Cunha detalhou ainda que uma boa parte da dívida, na ordem dos 40%, está em instituições europeias, para as quais não há possibilidade de haver restruturação da dívida.

“O que houve já foi uma renegociação, estenderam-se os períodos e baixou-se a taxa de juro. Penso que abrir esse capítulo nem sequer é possível”, afirmou.

Fica então a faltar uma única fatia, correspondente a cerca de 25% da dívida, que está nas mãos de fundos de investimentos e de pensões de Estados como o Alasca e o Luxemburgo.

Para Campos Cunha este seria o único setor onde poderia haver verdadeiramente uma reestruturação, mas isso seria “queimar reputação” precisamente junto daqueles que confiaram em Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Campos e Cunha: “É absurdo reclamar a reestruturação da dívida”