Capital do Móvel

Capital do Móvel supera expectativas com vendas superiores a 1 milhão

D.R.
D.R.

Setor do mobiliário continua em rota ascendente com as exportações a atingirem os 816 milhões de euros nos primeiros cinco meses do ano

A 49ª edição da Capital do Móvel superou as expectativas da Associação Empresarial de Paços de Ferreira ao ter ultrapassado a fasquia de um milhão de euros em volume de negócios realizados durante a semana da feira. O volume de negócios nessa semana atingiu os 1,2 milhões de euros (na última edição, em abril, tinham sido 1 milhão de euros).

De acordo com a organização do certame “os expositores estão otimistas em relação aos negócios que poderão ser concretizados no período pós-feira, reforçando assim o bom momento do setor, alavancado pelas exportações e pelo aumento do crédito concedido para aquisição de casa própria”.

“Paços de Ferreira continua a contribuir positivamente para os números do setor, com um crescimento sustentado na ordem dos 12%, nos últimos 5 anos”, referiu João Pedro Begonha, diretor executivo da Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF).

Dados da AEPF revelam que, nos primeiros 5 meses do ano, o volume das exportações atingiu os 816 milhões de euros, sendo que a perspetiva é de fechar o ano em alta relativamente a 2016.

Quanto aos visitantes do certame, os estrangeiros continuam a ser maioritariamente espanhóis e franceses, sendo que este ano a organização detetou um aumento de visitantes generalistas e um decréscimo dos profissionais.

A Capital do Móvel apresenta as principais novidades da fileira casa – móveis, iluminação e decoração – do clássico ao moderno, passando pelo rústico e pelo contemporâneo, o estilo dos móveis em exibição adapta-se ao gosto dos visitantes. Os complementos também não faltam: além da decoração, podem encontrar-se no evento produtos para o jardim, colchoaria, eletrodomésticos.

E de acordo com a organização “a presença do mobiliário nos principais mercados internacionais é, aliás, a imagem da campanha de promoção desta feira, a qual brinca com o facto de muitos portugueses terem deixado de vir a Paços de Ferreira, enquanto cada vez mais estrangeiros procuram a qualidade e o design do mobiliário da região”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
Capital do Móvel supera expectativas com vendas superiores a 1 milhão