Cultura

Carlos Moedas junta-se a conselho de administração da Gulbenkian

Carlos Moedas (Gerardo Santos / Global Imagens)
Carlos Moedas (Gerardo Santos / Global Imagens)

Entidade presidida por Isabel Mota refere que "o Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian elegeu, por unanimidade, o novo membro".

O antigo comissário europeu Carlos Moedas foi eleito como novo membro executivo do conselho de administração da Fundação Calouste Gulbenkian, anunciou hoje a instituição sediada em Lisboa.

Em comunicado, a entidade presidida por Isabel Mota refere que “o Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian elegeu, por unanimidade, o novo membro executivo, que completa o conjunto de nove elementos do conselho de administração da Fundação”.

“Carlos Moedas passa a integrar este órgão, completando a equipa liderada por Isabel Mota e composta por Martin Essayan, José Neves Adelino e Guilherme de Oliveira Martins (administradores executivos), Emílio Rui Vilar, Graça Andersen Guimarães, António Feijó e Pedro Norton (administradores não executivos)”, realça o mesmo documento, que agenda a tomada de posse para 07 de janeiro.

Comissário europeu com a tutela da Investigação, Ciência e Inovação durante o mandato do anterior executivo comunitário, Carlos Moedas nasceu em Beja, em 1970, e é licenciado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico, possuindo um MBA pela norte-americana Harvard Business School.

Ao longo da carreira, segundo a biografia disponibilizada pela Gulbenkian, passou pelo Grupo Suez, Goldman Sachs e Deutsche Bank, tendo sido eleito deputado em 2011 e nomeado secretário de Estado-adjunto do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho para o período entre 2011 e 2014.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: Leonel de Castro/Global Imagens

Famílias com 12 meses para pagarem rendas do estado de emergência

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

EPA/MIGUEL FIGUEIREDO LOPES

Mais de 90% querem ver estado de emergência prolongado

Carlos Moedas junta-se a conselho de administração da Gulbenkian