Brexit

Cartas de Boris Johnson causam surpresa e perplexidade em Bruxelas

Fotografia: REUTERS/Henry Nicholls - RC122C9DD810
Fotografia: REUTERS/Henry Nicholls - RC122C9DD810

PM britânico causou "surpresa" e "perplexidade" em Bruxelas pela forma "caricata" como pediu à União Europeia para ficar mais três meses.

As duas cartas chegaram poucas horas após a aprovação no parlamento britânico, da chamada emenda Letwin, que obriga a que sejam aprovadas leis para aplicar o acordo do Brexit, antes de lhe dar luz verde. Na prática, o resultado é que o “meaningful vote” ao acordo de saída fica adiado, forçando o governo britânico a pedir uma nova extensão da permanência na União Europeia.

Foi isso que Boris Johnson fez. Este sábado, antes das 23h, informou o Conselho Europeu que “o Reino Unido procura uma nova extensão do período proporcionado pelo Artigo 50º”. Recorde-se que esse período é de dois anos, a contar a partir da data em que o dito artigo foi acionado por Londres, e já expirou a 29 de Março, tendo sido adiado, a pedido da anterior primeira-ministra, Theresa May, para 31 de outubro.

A realidade é que o primeiro-ministro que “preferia morrer numa valeta” a ter de pedir para adiar o Brexit veio requer à União Europeia que lhe conceda um período extra, até “31 de janeiro de 2020”, para continuar a fazer parte da União Europeia.

 

Leia o artigo completo na edição online do Diário de Notícias

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Cartas de Boris Johnson causam surpresa e perplexidade em Bruxelas