crédito

Cartões gratuitos? Cuidado com as taxas de juro

Fotografia: REUTERS/Jason Reed
Fotografia: REUTERS/Jason Reed

São mais de 30 os cartões de crédito sem anuidade que existem no mercado. Saiba quais são os mais vantajosos.

Ter um cartão de crédito gratuito implica contrapartidas. Neste caso, a premissa é suportar uma taxa de juro mais elevada. Ainda assim, com uma boa gestão financeira, existem produtos que podem ser vantajosos.

São 33 as ofertas de cartão de crédito existentes no mercado português que isentam os consumidores de custos associados à anuidade ou a comissões de utilização mínima. Os dados são da ComparaJá.pt, que analisou em exclusivo para o Dinheiro Vivo as melhores ofertas, de entre os 92 cartões de crédito gratuitos existentes, que os portugueses têm ao seu dispor. A análise exclui os cartões que, apesar de constarem nos preçários das instituições emissoras, têm uso restrito a marcas ou estabelecimentos específicos, assim como cartões co-branded que não sejam publicitados nos websites das respetivas marcas.

Da análise salta à vista o principal aspeto negativo destes cartões: a TAEG, ou seja, o custo total do empréstimo para o cliente, por ano, em percentagem do montante emprestado. Esta taxa está acima da média e, regra geral, colada ao teto máximo imposto pelo Banco de Portugal (16,6% neste trimestre). “Os bancos e instituições financeiras procuram, através da TAEG, lucrar com os cartões de crédito que isentam os consumidores de anuidades”, explica José Figueiredo, diretor-geral da plataforma de comparação. Mas há formas de contornar o pagamento desta taxa. Se o consumidor pagar a totalidade do plafond utilizado, num prazo entre 20 e 50 dias, pode isentar-se do pagamento de juros.

Outra desvantagem destes produtos é a inclusão de seguros associados aos cartões. 76% dos cartões gratuitos oferecem esta opção, contudo os seguros são pouco completos quando comparados aos cartões com anuidade.

De acordo com a análise, o Visa BIG é o cartão mais completo, oferecendo coberturas como pagamentos de variadas despesas de atos médicos no estrangeiro, reboque de veículo em viagem ou cobertura de acidentes pessoais em viagem. Este produto isenta ainda o cliente da taxa de gasolineira, um encargo de 0,50 euros que os consumidores poderão ter de suportar por recorrerem ao pagamento com cartão de crédito em postos de abastecimento. Ainda assim, é o ActivoBank Classic que apresenta a TAEG mais baixa de todas.

Benefícios extra
Cashback, milhas aéreas ou descontos são benefícios que, por norma, os cartões de crédito oferecem. No entanto, sendo cartões sem anuidade, a oferta destes benefícios é mais limitada. Por exemplo, apenas um destes produtos – Wizink Rewards – oferece milhas aéreas.

No que diz respeito ao cashback, o benefício mais procurado pelos consumidores, a oferta é mais alargada. O Cartão Cofidis e o Bankintercard Gold incluem este benefício. O cartão de crédito da Bankinter é o que tem melhores condições, ao oferecer 5% de cashback, tendo, no entanto, um limite de 90 euros anuais para usufruto desta vantagem. O cartão da Cofidis fica-se pelos 1%, com um limite máximo de cem euros por ano. Ainda assim, existe a possibilidade de estender para 2% o cashback a um limite de 200 euros, face ao pagamento de uma comissão fixa de um euro por mês.

Existem cinco produtos que oferecem pontos: o ActivoBank Classic, com quatro pontos por euro gasto, e o Wizink Rewards e todos os cartões da Unibanco, com um ponto por cada euro que se gastar. Quanto a descontos, são praticamente todos os que incluem esta vantagem, com o número de parceiros a oscilar entre apenas um e uma rede de mais de 150.

“Os cartões são uma opção competitiva se se fizer uma gestão inteligente. Se se evitar o pagamento de juros e se se escolher bem os cartões que oferecem o maior número de vantagens”, salienta José Figueiredo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

fotografia: Luís Costa Carvalho

Corticeira Amorim investe oito milhões e inaugura nova fábrica nos EUA

António Mexia lidera a EDP desde 2005

António Mexia, CEO da EDP, ganhou 6.000 euros por dia em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Cartões gratuitos? Cuidado com as taxas de juro