Turismo

Casa da História Judaica aumenta oferta turística do Sabugal

Casa da História Judaica da Raia Sabugalense está a ser ultimada, no castelo de Sabugal, e deve começar a funcionar em fevereiro.
Casa da História Judaica da Raia Sabugalense está a ser ultimada, no castelo de Sabugal, e deve começar a funcionar em fevereiro.

A Câmara do Sabugal anunciou hoje que está a ultimar o projeto da Casa da História Judaica da Raia Sabugalense.

A Câmara do Sabugal anunciou hoje que está a ultimar o projeto da Casa da História Judaica da Raia Sabugalense, que deve começar a funcionar em fevereiro e com a qual pretende aumentar a oferta turística do concelho.

O presidente da autarquia do Sabugal, António Robalo, disse que o projeto ocupa o edifício da antiga Casa do Castelo, que fechou em setembro de 2013 e o município adquiriu por 120 mil euros.

“Por um lado, vamos aproveitar o espólio existente, resultado de pesquisas e de trabalhos desenvolvidos ao longo de muitos anos pelo nosso Gabinete de Arqueologia, e, por outro, vamos aproveitar um espaço num lugar de referência, nobre, que é junto ao castelo de cinco quinas do Sabugal, onde, nos últimos anos, na memória mais recente, se desenvolveu um projeto da Casa do Castelo que teve uma visibilidade enorme”, justificou.

Segundo António Robalo, o anterior projeto constituiu um “centro de muita visitação”, o que permitiu que a autarquia equacionasse a possibilidade de desenvolver no mesmo espaço um projeto relacionado com a temática do património judaico.

A Casa da História Judaica da Raia Sabugalense, que deverá abrir na segunda quinzena do mês de fevereiro, vem juntar-se ao castelo e ao museu municipal, dois espaços que atraem muitos turistas para aquele concelho localizado junto da fronteira com Espanha.

“O facto de termos no centro [Casa da História Judaica da Raia Sabugalense] uma referenciação aos achados, à sua localização, às suas características, ao seu histórico no concelho, poderá chamar, atrair, os visitantes e levá-los e conduzi-los a que efetivamente se desloquem ao local para que já, portanto, em real, poderem usufruir desses elementos representativos das vivências sefarditas no Sabugal”, afirmou.

Nas obras de adaptação do edifício às novas funções o município do Sabugal investiu mais de 50 mil euros, mas a intervenção foi financiada no âmbito da Rede de Judiarias de Portugal, pelo EEA Grants, um mecanismo financeiro do Espaço Económico Europeu (EEA) através do qual a Noruega, Islândia e o Liechtenstein financiam diversas áreas prioritárias de ação junto dos países beneficiários do Fundo de Coesão da União Europeia.

A autarquia reconhece que “os trabalhos de musealização” do edifício, onde existe um armário judaico [“aron ha codesh”, que significa armário da lei], possivelmente datado do século XIV, afirmarão o espaço “como de testemunho da memória da presença judaica no concelho”.

O município também acredita que o projeto da Casa da História Judaica da Raia Sabugalense, para além de complementar a oferta turística do concelho, permitirá “salvaguardar a memória do espaço” que funcionou como Casa do Castelo, entre 2007 e 2013, por iniciativa de particulares, com as valências de espaço museológico, restaurante, posto de venda de artesanato e de produtos regionais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

O dia, segunda-feira de Páscoa, prejudicou a concentração dos ex-operários junto à casa-mãe, a Miralago. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Ex-operários tentam evitar saída de máquinas da Órbita

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abrãao, numa manifestação. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

FESAP. Inspetores do Estado podem ficar 10 anos sem progredir nas carreira

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Casa da História Judaica aumenta oferta turística do Sabugal