fazedores

Casafari. “Google das casas” angaria 5 milhões de euros para expandir na Europa

Mila Sukhareva e Nils Henning, fundadores da Casafari, uma startup que quer ser a “Google do Imobiliário” (junta todos os anúncios de casas numa plataforma). 
(Jorge Firmino / Global Imagens)
Mila Sukhareva e Nils Henning, fundadores da Casafari, uma startup que quer ser a “Google do Imobiliário” (junta todos os anúncios de casas numa plataforma). (Jorge Firmino / Global Imagens)

Foi lançada em Portugal há pouco mais de um ano com a ambição de saltar fronteiras. Esta terça-feira, a startup de imobiliário Casafari ficou mais perto do objetivo. A empresa fundada por Mila Sukhareva e Nils Henning fechou uma ronda de investimento de cinco milhões de euros, que será aplicada na expansão da empresa para fora do país.

Numa nota enviada à imprensa, a empresa que criou um motor de busca para o mercado imobiliário revela que o dinheiro é proveniente, sobretudo, de dois grandes fundos de investimento. O destaque vai para o Lakestar, um dos maiores fundos de capital de risco da Europa, que investe pela primeira vez em Portugal e já tem historial no setor, com apostas em empresas como a AirBnB ou a Opendoor, mas também em nomes como a Glovo ou o Spotify.

Citado no comunicado, Manu Gupta, partner da Lakestar, destaca que “a tecnologia única da Casafari e a sua base de dados vão ser a espinha dorsal do setor imobiliário nos próximos anos”.

Entre os novos investidores da Casafari está também o fundo Round Hill Capital, conhecido por apostar no financiamento de imóveis residenciais ou residências para estudantes.

Na mesma nota, a Casafari, cujo objetivo é “construir a base de dados mais completa e limpa do mercado imobiliário no mundo”, explica que os cinco milhões de euros serão aplicados em novas contratações, no desenvolvimento de mais aplicações e na expansão para outros mercados europeus.

Foto: Casafari

Foto: Casafari

Há um ano, em entrevista ao Dinheiro Vivo, Mila Sukhareva e Nils Henning afirmavam que, a curto prazo, a empresa tinha como meta chegar a, pelo menos, três novos destinos.

“Estamos entusiasmados por ter o apoio e o compromisso de investidores de alto nível, como Lakestar e Round Hill Capital. Ambos os investidores partilham da nossa visão de trazer o setor imobiliário para a área digital com serviços avançados de dados”, afirma o co-fundador da empresa, Nils Henning.

A Casafari conta atualmente com cerca de 70 trabalhadores. Destes, 40% desenvolvem trabalho de pesquisa e engenharia em data science e machine learning. No motor de busca da proptech (conceito que casa o imobiliário com a tecnologia) foram indexadas e analisadas cerca de quatro milhões de propriedades únicas, que equivalem a um total de 15 milhões de anúncios. Para já, a plataforma reúne dados nos mercados de Portugal e Espanha.

A startup assume que a sua missão é trazer “transparência e eficiência ao caótico e opaco mercado imobiliário com recurso a sofisticadas operações de dados e modelos de machine learning”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

TVI

Cofina avança com OPA sobre 100% da Media Capital por 180 milhões

Entrevista DV/TSF com secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.
Fotografia: PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Ana M. Godinho: “É preciso um compromisso de valorização e subida de salários”

Outros conteúdos GMG
Casafari. “Google das casas” angaria 5 milhões de euros para expandir na Europa