imobiliáro

Casas: 3 mil milhões de euros só em vendas em Lisboa

(Gerardo Santos / Global Imagens)
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Cidade reúne metade do valor total das vendas no primeiro trimestre. Venderam-se mais 7,6% de casas no país, face a março do ano passado.

As vendas de casas em Portugal aumentaram 7,6% no primeiro trimestre, face ao período homólogo, para 43.826 alojamentos familiares transacionados, de acordo com dados da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). Estes valores, compilados pelo gabinete de estudos da entidade, caíram ainda assim em 5,6% em relação ao trimestre anterior.

Entre janeiro e março de 2019, o valor das vendas atingiu s 6,1 mil milhões de euros, um aumento de 12,9% face a igual período de 2018, e quase metade desse valor foi conseguido em Lisboa. Segundo a APEMIP, “no período em análise, o valor das habitações transacionadas na Área Metropolitana de Lisboa ascendeu aos 2,9 mil milhões. Em termos de maiores montantes de valores de transações, seguiu-se a região norte, com 1,4 mil milhões, o centro com 725 milhões e o Algarve com 672 milhões”.

Por outro lado, “o Alentejo, a Região Autónoma da Madeira e a Região Autónoma dos Açores registaram o menor valor de habitações transacionadas, correspondendo a aproximadamente 400 milhões de euros”, salientou a associação.

“Centrando a análise na evolução de preços, de acordo com o INE, o Índice de Preços da Habitação registou uma variação homóloga de 9,2%”, refere a APEMIP, lembrando ainda que, “entre o 4.º trimestre de 2018 e o 1.º trimestre de 2019, o índice de preços aumentou 3,6%”.

Este comportamento é normal no início do ano “pelo que não há motivos para grande alarmismo, até porque, quando comparando com o período homólogo, regista-se uma subida das vendas”, explica o presidente da entidade, Luís Lima, que acredita que “é natural que o mercado comece a assistir a uma ligeira quebra no número de transações, que se justifica essencialmente pela falta de oferta imobiliária, que não corresponde à enorme procura existente”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Centeno mantém crescimento de 1,9% este ano. Acelera para 2% no próximo

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Dívida pública desce mais devagar do que o previsto

Outros conteúdos GMG
Casas: 3 mil milhões de euros só em vendas em Lisboa