Casas com descontos esta semana na FIL

Simulador ajuda a calcular valor da casa
Simulador ajuda a calcular valor da casa

Leilões de casas, promoções e condições especiais de
compra/venda e de arrendamento são os trunfos com que o Salão
Imobiliário de Lisboa (SIL), que arranca amanhã, vai procurar dar a
volta a uma das piores crises de sempre do sector de construção
portuguesa. “O objetivo – disse ao Dinheiro Vivo o diretor da
feira, Paulo Sousa – é oferecer condições que ajudem a estimular
um mercado deprimido. Hoje, com a crise que o País atravessa, temos
de ter mais do que uma feira profissional ou uma montra dos mais
recentes empreendimentos.”

Para além dos tradicionais descontos e promoções oferecidos
pelos promotores quando se compra uma casa, o SIL vai realizar um
leilão de 150 imóveis, cujo preço base vai dos 31 500 aos 173 mil
euros e irá disponibilizar ainda um conjunto de dois mil imóveis
para arrendar. O leilão, que decorre nos dias 13 e 14 deste mês, o
próximo fim de semana, entre as 16.00 e as 20.00, é “o maior
de sempre no País”. As casas, que totalizam um valor-base de 10
milhões de euros e fazem parte da carteira de casas em incumprimento
da Caixa Geral de Depósitos (CGD) – que é a patrocinadora oficial
do SIL -, estão localizadas apenas nas regiões centro e sul de
Portugal, “porque considerámos que as pessoas do Norte não se
deslocariam tanto a Lisboa para este encontro”, explicou Paulo
Sousa.

No mesmo fim de semana, explica o responsável do SIL, serão
ainda divulgados os valores finais dos imóveis que estão para venda
num leilão online que está a decorrer já desde 1 deste mês. “São
mais de 100 imóveis, num valor de cinco milhões de euros e com
preços entre os 29 mil e os 120 mil euros, que estão para venda
nesse leilão onde as licitações fecham de hora a hora”,
explicou.

Já a Bolsa de Arrendamento será um stand onde estão para
consulta todas as casas que os promotores e mediadores presentes na
feira têm para arrendar. “Além disso, estarão também aqui
disponíveis cerca de 800 casas do Mercado Social do Arrendamento,
que resulta de uma parceria com os bancos para o Programa de
Emergência Social do Governo”, acrescentou Paulo Sousa, em
entrevista ao Dinheiro Vivo.

Oferta de carros e férias

O Salão Imobiliário de Lisboa é conhecido por apresentar uma
série de promoções criadas pelas empresas para estimular o
mercado. Este ano, por exemplo, a CGD vai estar a oferecer todos os
custos associados às vendas do seu portefólio de imóveis, como por
exemplo, o IMT ou o imposto selo. E vai ainda disponibilizar imóveis
de rendimento, ou seja, “edifícios que já têm contratos de
arrendamento e que estarão à venda apenas para investidores e com
taxas de rentabilidade de 5% a 6%”, contou Paulo Sousa.

Outro exemplo é o da Quinta da Trindade, um condomínio privado
no Seixal, que oferece, durante o SIL, um Peugeot 208 na compra de um
apartamento de qualquer tipologia. Ou ainda o Pestana, que oferece
uma semana de férias em qualquer dos hotéis do grupo aos primeiros
dez contratos de promessa de compra e venda assinados durante a
feira.

Tal como no ano passado, o SIL voltou a juntar-se à Intercasa,
que este ano vai também organizar um leilão no sábado, dia 13. A
maior parte dos produtos à venda são móveis e artigos de
iluminação e decoração, conta o diretor desta feira, Miguel
Comporta, estimando que haja umas 100 peças a leilão e cerca de 30
empresas portuguesas participantes.

“O leilão é uma resposta à quebra nos orçamentos das
famílias, devido à conjuntura menos favorável, e torna a feira
mais atrativa. E ainda dinamiza o consumo de produtos nacionais
porque 90% dos artigos que estarão para venda são fabricados pela
indústria nacional”, referiu Miguel Comporta.

SIL 2012

Decorre de 9 a 14 de outubro em simultâneo com a Intercasa, que
já arrancou sábado.

Está aberto das 14.00 às 20.00

Os bilhetes custam seis euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Rui Oliveira / Global Imagens)

Marcas aceleram nas promoções para tirar travão nas vendas

Fotografia: Gonçalo Delgado/Global Imagens

Resposta à pandemia traz riscos de má gestão e corrupção do dinheiro público

Restauração recuperou volume de negócios

CIP: 61% das empresas ainda não recebeu financiamento

Casas com descontos esta semana na FIL