Lisbon Mobi Summit

Cascais defende correção de preços nos passes sociais

A carregar player...

O concelho de Cascais escolheu ser uma autoridade municipal na gestão de transportes. Nuno Piteira Lopes, vereador da Câmara Municipal, realçou como nos últimos meses foram criadas infraestruturas para fomentar a utilização dos transportes públicos.

No entanto, o vereador quis antes de continuar a sua intervenção na Lisbon Mobi Summit, revelar números que, como salientou, apelam a uma reflexão, num debate com o tema Mobilidade Local, Visão Global. “No concelho gasta-se 12 milhões de euros para todos os dias se recorrer o lixo. Os transportes gratuitos custariam 12 milhões.”

Em 20 anos a população de Cascais passou de 120 mil para 210 mil. A utilização de transportes públicos é limitada, com o carro a ser o principal meio eleito, mesmo que de comboio só demore 35 minutos a chegara Lisboa e de carro, na A5, se ter uma espera de hora e meia pela frente, como o autarca exemplificou.

Cascais apostou então na construção de parques de estacionamento junto às estações de comboio, com o passe a incluir esse custo. “Pagam menos dois euros do que pagavam antes pelo passe”, afirmou. Foram ainda negociados com CP, Metro e Carris pacotes de mobilidade. Dentro do concelho, através do Mobi Cascais, os menores de 14 anos não pagam nos transportes públicos e quem tem mais de 65 só paga 25% do valor.

A pensar já a nível nacional, Nuno Piteira Lopes considera que “a questão do preço é essencial”. O vereador disse que não se pode obrigar as pessoas a pagar por um passe separado para cada meio de transporte e depois ver uma viagem ao Porto ser mais barata. “[Os passes] não podem ser uma questão municipal”, afirmou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
Cascais defende correção de preços nos passes sociais