concessões

Cascais estuda viabilidade de reversão da concessão das águas

Resgate da concessão custará mais de 100 milhões de euros, admite o presidente da autarquia.

O executivo municipal de Cascais está apostado em estudar a reversão da concessão da Águas de Cascais, embora o presidente da autarquia alerte para os custos de resgatar a concessão: mais de 100 milhões de euros.

“Desta concessão de serviços à empresa privada tem decorrido um conjunto de prejuízos muito significativos para todos os utentes do serviço”, que fornece “um bem essencial à vida”, considerou o vereador Clemente Alves, da CDU.

O executivo municipal aprovou uma proposta do vereador para a realização de um “estudo de viabilidade para a reversão para a Câmara Municipal da concessão do serviço à Águas de Cascais”.

“Aplicando a fórmula que está no contrato, trata-se de uma indemnização superior a 100 milhões de euros”, estimou o presidente da autarquia, Carlos Carreiras (PSD), com base nos cálculos dos serviços municipais.

O autarca acrescentou que, além dessa indemnização, o município teria ainda de contar com os montantes no plano de investimentos associado ao contrato, segundo o qual “ainda falta realizar investimentos na ordem dos 45 milhões” de euros.

Nesse sentido, Carlos Carreiras explicou que a única forma de ultrapassar uma indemnização incomportável seria pelo estudo da existência de eventuais incumprimentos contratuais.

O presidente da câmara apontou, no entanto, a contradição da CDU quando criticou no passado que a reversão de contratos, nomeadamente na área do estacionamento, favorecia os privados por via das indemnizações.

A concessão da Águas de Cascais foi aprovada pela antiga maioria socialista e objeto de renegociação pela atual maioria PSD/CDS-PP, assegurando Carlos Carreiras que o preço praticado está abaixo de outros municípios na região de Lisboa e que o município não tem de indemnizar a empresa perante uma redução dos consumos, como acontece com outras concessões.

O vereador Clemente Alves sustentou que a concessão da Águas de Cascais “não cumpre os requisitos de um serviço que devia ser público”, destacando as 5.400 reclamações em diversas entidades, relacionadas com a falta de qualidade da água e “valores abusivos” de taxas cobradas aos consumidores.

O vereador socialista Alexandre Sargento manifestou abertura para “estudar a viabilidade da reversão da concessão”, ao contrário de se colocar desde já a decisão de uma reversão.

No mesmo sentido, a vereadora independente Isabel Magalhães (Ser Cascais) também recordou que a reversão efetuada ao contrato da recolha de resíduos urbanos foi benéfica para os munícipes.

O vereador da CDU aceitou reformular a proposta, para o estudo da viabilidade, ou não, da reversão da concessão, levando a que todo o executivo aprovasse a sua concretização.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Cascais estuda viabilidade de reversão da concessão das águas