Igualdade de Género

Catarina Marcelino: “Portugal vai fortalecer mecanismos para promover igualdade”

Em andamento está já um programa de educação para a cidadania e nova legislação que prevê quotas de género nas administrações das empresas

A secretária de Estado para a Igualdade e Cidadania está esta semana em Nova Iorque, num evento da Organização das Nações Unidos onde se debate o empoderamento das mulheres no mercado de trabalho. Por lá, deixou uma certeza: o governo português vai ser mais ativo na implementação de políticas para a promoção da igualdade de géneros.

“Portugal irá fortalecer os seus mecanismos de coordenação e promover o envolvimento de todos os setores, sem exceção, na promoção da igualdade entre mulheres e homens e no combate a todas as formas de discriminação de género e violência contra as mulheres e raparigas”, disse Catarina Marcelino, durante a sua intervenção na 60ª sessão da Comissão do Estatuto das Mulheres.

Em andamento está já “um programa de educação para a cidadania a aplicar em todas as escolas públicas e em todos os graus de ensino, que visa a educação para os direitos humanos e para a igualdade de género”.

Ao mesmo tempo, o governo está a preparar “nova legislação para a implementação de quotas de género nos conselhos de administração de empresas do setor empresarial do Estado e das empresas cotadas em Bolsa”. A medida começa, aliás, a ser discutida com os parceiros sociais ainda este mês.

Também com os parceiros sociais, lembrou Catarina Marcelino, o governo está a discutir uma proposta para eliminar as discrepâncias salariais, bem como o aumento do tempo gozado pelos homens nas licenças parentais e medidas que facilitem a conciliação da vida profissional com a vida familiar e pessoal.

Este ano, a Comissão do Estatuto das Mulheres está a discutir, como tema central, o empoderamento de mulheres no mercado de trabalho. Como tema a ser revisto, a comissão discute a eliminação e prevenção de todas as formas de discriminação contras as mulheres e meninas.

Sobre este assunto, a secretária de Estado lembrou que “Portugal foi o primeiro país da União Europeia a ratificar a Convenção de Istambul, colocando-se, assim, na linha da frente dos países que quiseram aprofundar a sua ordem jurídica e os meios afetos a uma melhor prevenção e a um mais eficaz combate à violência contra as mulheres e raparigas”. Catarina Marcelino aproveitou, ainda, para lançar o “apelo à ratificação universal desta convenção”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Catarina Marcelino: “Portugal vai fortalecer mecanismos para promover igualdade”