Pacto de Estabilidade

CDS: “Oportunidade perdida” no Programa de Estabilidade

Pedro Mota Soares, deputado do CDS-PP. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens
Pedro Mota Soares, deputado do CDS-PP. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

O CDS-PP classificou o Programa de Estabilidade (PE) hoje apresentado como “uma oportunidade pedida”, reiterou a promessa de levar o documento a votos e anunciou que irá apresentar propostas alternativas.

Em declarações aos jornalistas no parlamento, o deputado democrata-cristão Pedro Mota Soares anunciou que o partido irá também enviar um conjunto de perguntas ao Ministério das Finanças sobre como será atingido o défice de 0,7% este ano.

“Se for à custa do aumento da carga fiscal sobre famílias e empresas que se atinge este défice de 0,7% não é bom, se for pelo desinvestimento no investimento público e se isso condiciona as perspetivas de crescimento futuro de Portugal certamente que não é bom”, afirmou o ex-ministro da Segurança Social do anterior Governo PSD/CDS-PP.

Para o CDS-PP, o modelo económico na base deste PE “representa uma oportunidade perdida”: “Confirma-se a desaceleração da economia em Portugal, e a carga fiscal é a mais elevada desde que há registo”, acusou.

O Governo reviu em baixa a meta do défice deste ano para 0,7% do PIB, segundo o Programa de Estabilidade 2018-2022 entregue hoje ao parlamento, apesar de o BE exigir a manutenção da meta acordada no orçamento.

Mota Soares afirmou que o CDS vai continuar fiel ao seu princípio de “por cada crítica apresentar uma alternativa”, adiantando que esse trabalho vai ser feito pelo partido na próxima semana.

“Vamos apresentar a nossa alternativa que vai ter matérias que não constam deste Programa de Estabilidade, como o estatuto de benefícios fiscais para interior, a redução dos impostos sobre a gasolina e o gasóleo e ajudas para as empresas investirem mais, de forma a termos um crescimento económico mais em linha com os nossos competidores diretos”, explicou.

Para o CDS-PP, será esse conjunto de alternativas que permitirão que “Portugal cresça de forma sólida, sustentada e robusta”.

Por considerar que o documento apresentado pelo Governo representa “uma oportunidade perdida”, o CDS vai, tal como fez em anos anteriores, voltar a levar o documento a votos, num debate marcado para o próximo dia 24.

“É muito importante que haja uma clarificação, sobretudo entre os partidos à esquerda que apoiam o Governo”, afirmou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro adjunto Pedro Siza Vieira. 
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Proposta que cria sociedades de investimento em imóveis avança até final do ano

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Despesa com juros da dívida ultrapassou 5 mil milhões de euros até julho

Apple devolve à Irlanda14 mil milhões em ajudas consideradas ilícitas

Outros conteúdos GMG
CDS: “Oportunidade perdida” no Programa de Estabilidade