CDS-PP

CDS-PP elogia ação do Governo na economia social e ataca PS

Nuno Magalhães
Nuno Magalhães

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, elogiou hoje a ação do Governo na economia social e acusou o PS de promover “embustes” sobre esta matéria e de deixar dívidas de seis milhões de euros às instituições.

Nuno Magalhães acusou o anterior Governo PS de ter deixado “uma pesada herança” na área social, um setor “economicamente relevante” que representa “cerca de 5,5 por cento do emprego remunerado” em Portugal.

Durante o debate quinzenal, Nuno Magalhães rejeitou que o programa de emergência social não tenha concretização orçamental, considerando que “esse é o primeiro embuste do PS”.

“Há ou não um programa de emergência social? O mercado social de arrendamento, a bolsa de medicamentos, aumento das pensões mínimas, 6 milhões de euros, a majoração do subsídio de desemprego para casais desempregados, quase 1 milhão de euros, o reforço da verba da ação social, 2,5 milhões de euros, o fundo de socorro social, 1,5 milhões de euros, programa de emergência alimentar, 2,5 milhões”, sublinhou.

Nuno Magalhães disse que o PS promove um “segundo embuste” quando afirma que “o Governo é mais `troikista” do que a `troika””, argumentando que foi o Governo PSD/CDS-PP que alterou o memorando de entendimento para evitar que as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) “fossem obrigadas a pagar IRC e também a reembolsar o pagamento do IVA na sua totalidade”.

“Já para não falar das dívidas de seis milhões de euros que desde 2008 persistiam”, criticou, dirigindo-se ao deputado do PS Pedro Marques, ex-secretário de Estado da Segurança Social, pasta atualmente tutelada pelo democrata-cristão Pedro Mota Soares.

Na resposta, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, reforçou as críticas deixadas pelo CDS-PP ao anterior Governo, afirmando que a política “foi prosseguida anos a fio com a convicção de quem estava a oferecer pobreza a prazo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
CDS-PP elogia ação do Governo na economia social e ataca PS