banca

CDS questiona Governo sobre taxas da CGD

A Caixa é o banco onde os familiares têm de gastar mais em caso de morte de um parente.

O CDS-PP questionou esta quinta, 11 de outubro, o Governo sobre o valor das taxas cobradas pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) a herdeiros e indagou sobre a solução a aplicar para resolver a situação.

As explicações são pedidas por deputados do CDS através de requerimento enviado ao Ministério das Finanças, em que também consideram esta política de comissões “manifestamente excessiva” relativamente ao serviço prestado.

Na sua edição de quarta-feira, o jornal Pública noticiou que, em caso de morte de um titular da conta, a Caixa é o banco onde os familiares têm de gastar mais para obter informações sobre as contas dos parentes falecidos, 55 euros por conta, acrescido de IVA a 23%.

Os centristas querem agora saber se o Ministério das Finanças tem conhecimento das comissões cobradas pelo banco do Estado, se concorda e teve alguma intervenção na política de comissões e se vai fazer alguma recomendação à administração da CGD para a inverter.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
CDS questiona Governo sobre taxas da CGD