banca

CDS questiona Governo sobre taxas da CGD

A Caixa é o banco onde os familiares têm de gastar mais em caso de morte de um parente.

O CDS-PP questionou esta quinta, 11 de outubro, o Governo sobre o valor das taxas cobradas pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) a herdeiros e indagou sobre a solução a aplicar para resolver a situação.

As explicações são pedidas por deputados do CDS através de requerimento enviado ao Ministério das Finanças, em que também consideram esta política de comissões “manifestamente excessiva” relativamente ao serviço prestado.

Na sua edição de quarta-feira, o jornal Pública noticiou que, em caso de morte de um titular da conta, a Caixa é o banco onde os familiares têm de gastar mais para obter informações sobre as contas dos parentes falecidos, 55 euros por conta, acrescido de IVA a 23%.

Os centristas querem agora saber se o Ministério das Finanças tem conhecimento das comissões cobradas pelo banco do Estado, se concorda e teve alguma intervenção na política de comissões e se vai fazer alguma recomendação à administração da CGD para a inverter.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
CDS questiona Governo sobre taxas da CGD