Europeias

CDU considera resultado “expressivo” e desvaloriza perda de um mandato

A carregar player...

Manuel Rodrigues desvalorizou a possível perda de pelo menos um dos três mandatos atuais.

O dirigente comunista Manuel Rodrigues considerou que as projeções adiantadas pelas televisões sobre as eleições europeias dão um “resultado expressivo” à CDU e desvalorizou a possível perda de pelo menos um dos três mandatos atuais.

“Os elementos já disponibilizados e avançados colocam a CDU com um resultado expressivo que traduz uma grande influência na sociedade portuguesa e que afirma a CDU como uma força que, através dos seus deputados no Parlamento Europeu, irá como nenhuma outra fazer a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo e do país”, disse.

Ressalvando tratar-se ainda de projeções de resultados eleitorais, o membro da comissão política do Comité Central do PCP considerou que os dados disponíveis não fogem ao habitual da CDU e não comentou a eventual perda da terceira posição como força política mais votada para o BE.

“Nós efetivamente, há cinco anos, tivemos três deputados eleitos num contexto e conjuntura determinados pela aplicação de um pacto de agressão pela ‘troika’ que representou grande sofrimento, um ataque a direitos fundamentais dos trabalhadores e do povo e foi nesse contexto que tivemos uma expressão que representou estes três deputados”, afirmou.

Manuel Rodrigues, referindo-se aos outros sete atos eleitorais europeus anteriores disse que, “a confirmar-se este resultado, seria a quarta vez” que a CDU alcança “dois deputados” eleitos.

“Portanto, não é nenhuma coisa que esteja fora de um quadro em que a CDU intervém, projeta a sua mensagem, nas conjunturas que temos vivido”, sublinhou.

Outro dirigente comunista, Ângelo Alves, optou por vincar que na CDU nunca há lugar a desilusões. “As vitórias não nos iludem e as derrotas não nos desanimam”, afirmou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Céu cinzento de Londres. Fotografia: D.R.

Portugal fora do corredor turístico britânico. Madeira e Açores entram

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (Foto: Mário Cruz/Lusa)

Recuperar poder de decisão na TAP obriga Estado a pagar mais

O presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Frasquilho: Reestruturação da TAP “não vai ser isento de dor”

CDU considera resultado “expressivo” e desvaloriza perda de um mandato