Óbito

Centenas no adeus a Nunes de Almeida

Marcelo Rebelo de Sousa participou nas cerimónias fúnebres de Paulo Nunes de Almeida. Fotografia: Amin Chaar/Global Imagens
Marcelo Rebelo de Sousa participou nas cerimónias fúnebres de Paulo Nunes de Almeida. Fotografia: Amin Chaar/Global Imagens

Presidente da Repúblicas e outras individualidades fizeram questão de prestar a última homenagem

A igreja de Santo António das Antas não chegou para acolher as mais de cinco centenas de pessoas que ontem quiseram prestar a última homenagem a Paulo Nunes de Almeida, presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), que faleceu esta quinta-feira, aos 60 anos. O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que o tinha distinguido em maio com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito Empresarial – Classe do Mérito Industrial, fez questão de marcar presença. O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, o presidente do F. C. Porto, Pinto da Costa, e diversas individualidades do mundo da política, da economia e do desporto estiveram presentes no último adeus ao líder empresarial.

Na cerimónia, recordou-se a bondade e empenho de Nunes de Almeida nas diversas causas em que se empenhou ao longo da vida. Paulo Nunes de Almeida dedicou mais de três décadas da vida à atividade empresarial e ao associativismo e era, desde 2014, o 30.º presidente da AEP. Após a missa de corpo presente, seguiu-se a cerimónia fúnebre de caráter privado no Tanatório de Paranhos.

Voto de pesar
Quinta-feira foram inúmeras as personalidades que demonstraram a sua tristeza pelo falecimento de Nunes de Almeida. Ontem, a Assembleia da República aprovou, por unanimidade, um voto de pesar pela sua morte. No voto apresentado pelo PSD, é recordado como um cidadão que “deu um forte impulso à modernização da economia, à inovação e vitalidade empresarial”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Centenas no adeus a Nunes de Almeida