finanças

Centeno anuncia “maior investimento público da década”

défice programa estabilidade legislatura orçamento
António Costa, Augusto Santos Silva e Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

PSD e Bloco acusam governo e Mário Centeno de estar a reduzir o défice à custa do investimento público. Ministro recusa, diz que está a investir muito

O Partido Social Democrata (PSD) e o Bloco de Esquerda (BE) acusam o governo de reduzir o défice à custa do investimento público. O ministro das Finanças, Mário Centeno, rejeita totalmente esta ideia e ainda anuncia “o maior investimento público” da década: 400 milhões de euros em linhas de comboio.

E acrescentou que em 2017 o governo também aplicou na CGD 3,5 mil milhões de euros, “o maior investimento na banca pública de que há memória em Portugal”. Para o governante isto “também é investimento público”.

Na audição que decorre esta quarta-feira na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa​, no Parlamento, o ministro disse que “se excluirmos o investimento na CGD, o Governo aprovou recentemente o maior investimento da década com o lançamento do Corredor Internacional Sul, 400 milhões de euros de investimento na ferrovia, a executar entre 2018 e 2020”.

Trata-se da linha férrea de mercadorias que ligará Sines à fronteira e que deve começar a operar no final de 2021. Segundo estimativas do governo, envolverá “um investimento total de 626 milhões”.

Logo no começo, o novo presidente do Eurogrupo recordou que “ao longo das minhas muitas presenças neste Parlamento tenho vindo a ser confrontado com profecias e aparições”. “As profecias falharam e as aparições não se deram. As profecias sobre reversões trouxeram mais investimento estrangeiro e mais emprego.”

Mariana Mortágua, do BE, acusou o governo do PS de andar a sacrificar o investimento para reduzir o défice e ficar muito abaixo das metas. Centeno respondeu que, além do investimento normal, “este governo fez o maior investimento da história do banco público, a CGD, foram 3,5 mil milhões de euros, mais de 100% do investimento público total”. Observou que essas verbas são dinheiro público também.

Minutos antes, Inês Domingos, do PSD, também tinha acusado o governo do PS de estar a reduzir o défice à custa do investimento e da degradação do serviço público. “As escolhas do senhor ministro estão a levar o estado social à penúria total”, atirou.

Paulo Sá, do Partido Comunista Português (PCP), também avisou que é preciso muito mais investimento público. Este pode estar a crescer muito, como defende Centeno, aceitou o deputado, “cresce, mas parte de níveis muito baixos”. Este investimento devia chegar a 5% do produto interno bruto (PIB), defendeu.

Centeno reiterou na intervenção inicial que “quero deixar bem claras duas das apostas do Governo: o investimento público e o Serviço Nacional de Saúde”. E ainda acrescentou a banca, claro.

Dinheiro para a CGD também é investimento público

“O investimento público é uma prioridade, consciente, do Governo. Efetuámos o maior investimento na banca pública de que há memória em Portugal. Pela primeira vez em muitas décadas, a CGD está capacitada para servir as famílias e as empresas e, ao mesmo tempo, remunerar o Estado e os contribuintes pelo investimento que nela fizeram”, declarou inicialmente.

Centeno calcula que “o investimento público em 2017 teve um crescimento elevado, de 20%, face a 2016” e que o valor final de 2017 “é superior ao de 2014 e 2015, se excluímos investimento com financiamento por fundos europeus (estimativa de 13% e de 6,8%, respetivamente)”.

Esta nuance é importante porque 2015 foi um ano de execução acelerada de fundos europeus, por estarmos no final do anterior quadro de apoios, empolando mais a rubrica do investimento.

“Devemos lembrar-nos que 2015 foi o ano de encerramento do QREN a que corresponde sempre um valor anormalmente elevado de execução de fundos europeus, com a conclusão dos projetos do Alqueva e do túnel do Marão”, apontou Centeno.

Execução do investimento fica sempre abaixo do orçamentado

“Também há quem goste de olhar para as diferenças entre o investimento orçamentado e o investimento executado. A verdade é que a execução fica sempre abaixo. A diferença em 2017 (-851 milhões de euros) foi muito inferior à verificada em 2014 (-1042 milhões de euros) e 2013 (-1123 milhões de euros). 2017 foi dos anos em que esta diferença entre o investimento orçamentado e o investimento executado foi das mais baixas dos últimos anos”, observou o ministro.

Acrescentou ainda que “antes, a direita criticava o investimento público como insustentável. Agora, e depois de anos a cortar no investimento, parece rendida ao investimento público. Aqui o tem”.

São “os investimentos que o país precisa, no sistema financeiro público, que não queriam que existisse, na ferrovia, nos hospitais”.

(atualizado às 14h25 com mais declarações do debate)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Saída de clientes da EDP já supera as entradas

Outros conteúdos GMG
Centeno anuncia “maior investimento público da década”