Finanças Públicas

Centeno anuncia reembolso de mais três mil milhões ao FMI

Fotografia: Mário Cruz/Lusa
Fotografia: Mário Cruz/Lusa

O ministro das Finanças disse, citado pela Lusa, que até final do ano, Portugal vai acelerar os reembolsos ao Fundo Monetário Internacional.

Portugal vai acelerar os reembolsos antecipados ao FMI até final do ano. O Tesouro previa ainda pagar mais dois mil milhões de euros à instituição liderada por Christine Lagarde até final do ano. Mas Mário Centeno aponta que o país irá reembolsar mais três mil milhões de euros em 2017.

“Vai concretizar-se, muito brevemente, mais um pagamento antecipado ao FMI, de um valor próximo dos três mil milhões de euros”, o que “permite reduzir o custo médio do endividamento, mantendo a maturidade média da dívida e reforçando o que são muito boas condições de financiamento da economia portuguesa”, disse Mário Centeno, citado pela Lusa.

No total de 2017, o Tesouro previa fazer reembolsos no total de 8,4 mil milhões de euros. Esse valor sobe assim para cerca de 9,4 mil milhões de euros, numa altura em que Portugal consegue financiar-se no mercado com taxas de juro baixas. Esta quarta-feira emitiu 1,25 mil milhões de euros a dez anos com um juro de 1,939%, o mais baixo de sempre nesta maturidade.

Atualmente e após o pagamento de mil milhões ao FMI em outubro, o Estado já tinha devolvido 66% do empréstimo inicial de 26,3 mil milhões de euros concedido pelo Fundo no programa de assistência económica e financeira. Segundo os dados mais recentes da agência que gere o crédito público, o IGCP, estes empréstimos do FMI têm um custo anual de 4,3%, mais do dobro do que o mercado cobrou a Portugal na operação de financiamento a dez anos.

Atualizada às 17:13 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

TikTok

Microsoft estará interessada na compra da operação global do TikTok

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

Centeno anuncia reembolso de mais três mil milhões ao FMI