união bancária

Centeno considera união bancária a maior prioridade a nível europeu

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: D.R.
Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: D.R.

Mário Centeno considerou que uma das tarefas mais difíceis ao chegar às Finanças foi recuperar o controlo do processo de assistência financeira.

O ministro das Finanças considerou, esta quinta-feira, que a união bancária é a maior prioridade a nível europeu e que uma das tarefas mais difíceis ao chegar às Finanças foi recuperar o controlo do processo de assistência financeira.

No final de uma intervenção sobre a recuperação económica de Portugal, feita esta noite na Universidade de Harvard, em Boston, Mário Centeno foi questionado sobre a maior prioridade para a reforma da zona euro, e respondeu que o mais importante era “complementar a união bancária”.

O ministro e também presidente do eurogrupo acrescentou que “ainda há muitas coisas a implementar” e reconheceu que a união bancária “por si própria não resolve tudo, e deverá precisar de uma implementação faseada”.

Na sessão, que decorreu no Centro de Estudos Europeus da conhecida universidade norte-americana com o título “A recuperação Económica de Portugal: de doente a exemplo” [Portugal’s Economic Recovery: From Sick Man to Poster Boy, no original], Mário Centeno passou em revista os principais indicadores macroeconómicos recentes.

O ministro fez uma comparação com os números do período de assistência financeira e argumentou que uma das tarefas mais difíceis, mas também mais eficazes, ao chegar ao Ministério das Finanças, foi recuperar o controlo do processo de ajustamento.

Questionado sobre que conselhos daria à Grécia, o ministro das Finanças respondeu com a palavra ‘ownership’, significando posse ou controlo, e explicou: “Recuperar o controlo do processo é a única maneira de mostrar que há alternativas sobre o que está em cima da mesa”.

Na intervenção feita para uma plateia académica, com várias perguntas a serem feitas por portugueses, Mário Centeno defendeu a paciência como uma virtude essencial em política, por oposição ao populismo.

“A paciência é um ingrediente chave para uma implementação eficaz das reformas e o Estado é o principal fornecedor desse precioso bem”, disse o ministro, para concluir que “reganhar competitividade requer paciência”.

Noutra pergunta, que pediu um comentário às ações políticas do Governo liderado por Pedro Passos Coelho e Paulo Portas durante o período de ajustamento financeiro, Mário Centeno respondeu: “Para ser perfeitamente honesto, penso que as expectativas foram mal geridas, houve um sentimento de austeridade que não foi transferido para as decisões tomadas em modo de pânico”.

O ministro das Finanças viaja ainda esta quinta-feira de Boston para Washington, onde vai intervir num painel sobre a reforma da zona euro, nos Encontros da Primavera, do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, antes de uma palestra no Atlantic Council com o título “Completando o Projeto Europeu”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Centeno considera união bancária a maior prioridade a nível europeu