INE

Centeno diz que abrandamento da economia esconde muitas coisas boas

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA
Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

País continua a convergir com a Europa, a criar muito emprego, há mais investimento e expansão dura há 18 trimestres, diz gabinete do ministro.

A economia portuguesa desacelerou de 2,4% no segundo trimestre para 2,1% homólogos no terceiro, indicou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE), naquele que é o ritmo mais baixo em mais de dois anos.

No entanto, o ministro das Finanças diz que há muitas coisas boas a acontecer por baixo desse número das contas nacionais, coisas que não visíveis à primeira: a economia continua a convergir com a Europa, a criar muito emprego, a reduzir o desemprego, há mais investimento e este ciclo de expansão já dura há 18 trimestres.

Numa nota enviada às redações, o gabinete de Mário Centeno diz que “este ritmo de crescimento representa um abrandamento face ao trimestre anterior (2,4% em termos homólogos e 0,6% em cadeia), mas mantém a tendência de convergência com a União Europeia e a zona euro (1,9% e 1,7%, em termos homólogos, respetivamente)”.

Além disso, reforça o ministério, “o padrão de crescimento face ao período homólogo continuou marcado por uma forte dinâmica de criação de emprego (aumento de 2,1%, com 100 mil novos empregos) e de redução do desemprego (redução de 1,75 pontos percentuais da taxa de desemprego, menos 91 mil desempregados)”.

Mas, diz o gabinete de Centeno, há mais pontos positivos que, a seu ver, é preciso sublinhar. “Realça-se ainda uma aceleração ligeira do crescimento do investimento” e o facto de este ser “o décimo oitavo trimestre consecutivo de crescimento da economia portuguesa”.

O ministro está a referir-se ao crescimento em cadeia (entre trimestres) já que, em termos homólogos (comparando com igual trimestre do ano precedente), o ciclo de expansão da economia dura há 20 trimestres consecutivos.

Finalmente, o ministro congratula-se por este crescimento “ocorrer num contexto de equilíbrio das contas externas e de consolidação orçamental”, com o défice público a cair para 0,7% do produto interno bruto (PIB) este ano e a caminho dos 0,2% em 2019.

“Este é o caminho que garante maior resiliência da economia portuguesa e permite continuar a assegurar as funções do Estado”, acena Mário Centeno no comunicado sobre as contas provisórias do INE relativas ao terceiro trimestre.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Centeno diz que abrandamento da economia esconde muitas coisas boas