Contas Públicas

Centeno: “Não há margem nenhuma para acomodar novos aumentos de despesa”

Mário Centeno, ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo. EPA/JULIEN WARNAND
Mário Centeno, ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo. EPA/JULIEN WARNAND

"A meta do défice é para manter", diz o ministro das Finanças, em declarações ao semanário Expresso.

O Governo vai regressar à mesa das negociações com enfermeiros, funcionários públicos e professores, mas a margem para aumentar a despesa pública é nula. Quem o diz é o próprio Ministro das Finanças, em declarações ao semanário Expresso. “Não há margem nenhuma para acomodar novos aumentos de despesa”, afirmou Mário Centeno.

A conjuntura económica internacional é de risco, com a Europa a desacelerar e a incerteza em torno da saída do Reino Unido da União Europeia.

O governante responsável pelas contas públicas avisa que o controlo financeiro é fundamental para se conseguir reduzir a dívida pública. “A meta do défice é para manter”, garante Centeno ao Expresso.

Em abril o governo apresenta o Programa de Estabilidade para o período 2019-20123. Para o ministro “é necessário fazer tudo com conta, peso e medida. Os portugueses merecem isso”.

No núcleo duro do Governo, “a expectativa é a de que a opinião pública compreenda esta mensagem”, escreve o semanário.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
Centeno: “Não há margem nenhuma para acomodar novos aumentos de despesa”