OE 2016

Centeno: “Não há milagres depois do Orçamento de 2015”

Mário Centeno e João Leão Foto: EPA/JOSE SENA GOULAO
Mário Centeno e João Leão Foto: EPA/JOSE SENA GOULAO

"Empolamento" de verbas em 2015 rouba "800 milhões de euros" ao OE/2016 devido a "ações e omissões do anterior governo"

O Orçamento de Estado do PSD/CDS em 2015 falhou redondamente os objetivos e dificulta muito o OE deste ano, acusou o ministro das Finanças. “De facto, não há milagres depois do Orçamento do ano passado”, ironizou Mário Centeno.

O ministro destacou ainda que o novo OE aposta nos salários e num alívio da carga de impostos diretos. Nesse sentido, “a austeridade entra no princípio do seu fim quando optamos por promover rendimentos”, disse.

Na audição parlamentar sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2016, nas comissões de Finanças e de Segurança, Centeno atacou de forma cerrada o anterior governo pelos encargos que deixou nas contas públicas deste ano, designadamente por ter “empolado artificialmente receita em 2015” prejudicando a execução de 2016.

Segundo o governante, esse “empolamento” ascenderá a “800 milhões de euros” em receita cobrada em 2015 que rouba verbas a 2016.

E devido “ações e omissões do anterior governo”, Portugal “falhou” a saída dos défices excessivos. O défice de 2015 sem o Banif ficará em 3,1% e não nos 2,7%.

“Empolamento” e “engodo fiscal”

A nível fiscal, Centeno deu vários exemplos de “empolamento”. IRC cobrado a mais através do pagamento por conta das empresas a uma taxa de 23% em vez de 21% que abre um “fosso” de 227 milhões de euros nas contas em benefício de 2015.

E no IRS aconteceu algo parecido, gerando um “empolamento artificial de receita de 200 milhões de euros”.

Centeno, sempre ao ataque, acusou mesmo o Executivo de Passos e Portas de ter engendrado “um engodo fiscal”. “No Programa de Estabilidade a revisão de receita do IRC era 0% e o imposto acabou por subir 15,6%”.

Na sobretaxa, “diziam que iam devolver”, “criaram um jogo online” para os contribuintes consultarem a devolução prevista que acabou por não acontecer. Os motivos foram “eleitoralistas”, acusou.

Para o ministro, o novo OE “não aumenta impostos ao contrário do que tem sido propalado”; a receita fiscal proposta para este ano “é 291 milhões de euros mais baixa face àquela com o que o anterior governo se comprometeu com Bruxelas no Programa de Estabilidade de abril”.

“Com este OE a carga fiscal diminui”

“Com este OE, a carga fiscal [só impostos diretos e indiretos, sem contar com contribuições para a Segurança Social] diminui”, repetiu várias vezes Centeno, desmentindo assim várias “declarações públicas recentes” do sector da direita que acusa o governo de aumentar impostos.

O ministro garante que “a receita de IRS e IRC desce”, embora a cobrança de impostos indiretos aumente. Parte deste aumento, no entanto, está ligado ao crescimento da atividade económica.

Por exemplo, “a receita de todos os impostos em janeiro cresceu 2,1% e não houve qualquer aumento de impostos”, disse. “É normal que assim seja porque a atividade económica aumenta”, acrescentou.

A carga fiscal (só impostos) cai o equivalente a 0,1% do PIB e é assim “mais favorável ao emprego e crescimento”. “O valor em impostos diretos desce 2%, o de impostos indiretos sobe 6,6%.”

(em atualização)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Centeno: “Não há milagres depois do Orçamento de 2015”