Eleições

Centeno terá voto de Espanha se se candidatar à presidência do Eurogrupo

(DR)
(DR)

Espanha apoiará “naturalmente” uma eventual candidatura de Mário Centeno se o ministro das Finanças português decidir concorrer ao cargo de presidente do Eurogrupo, disse hoje em Bruxelas o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos.

“Se Mário Centeno se apresentar naturalmente que terá o apoio de Espanha”, afirmou, numa conferência de imprensa à margem de uma reunião de ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin), o ministro espanhol, que em 2015 concorreu ao cargo, perdendo para o holandês Jeroen Dijsselbloem, que se apresta agora a despedir-se do Eurogrupo após dois mandatos.

Apontando que já teve oportunidade de garantir o seu apoio a Centeno, tal como o ministro português lhe disse que contaria com o apoio de Portugal caso decidisse avançar, o que não é o caso, sublinhou — “não sou candidato” -, De Guindos comentou que se trata da “afinidade ibérica”, que é bem conhecida, “e que sempre foi tradicional entre Espanha e Portugal”.

De Guindos, que pertence à família política europeia do PPE (da qual fazem parte PSD e CDS-PP), disse desconhecer se Centeno “se vai candidatar ou não”, mas comentou que, entre os 19 ministros que formam o fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, há vários com capacidade para suceder a Dijsselbloem, entre os quais o ministro socialista português.

Apontando que a escolha obedece ao cumprimento de vários equilíbrios que é necessário encontrar, geográficos e partidários, por exemplo – e à partida o cargo deverá ser destinado a um socialista, dado o PPE já ter a presidência da Comissão Europeia, Conselho Europeu e Parlamento Europeu -, De Guindos disse esperar que seja possível “encontrar um candidato de consenso”, e admitiu que “já não há muito tempo”, pois a eleição está agendada para a próxima reunião do Eurogrupo, em 04 de dezembro.

No final da reunião do Eurogrupo de segunda-feira, Jeroen Dijsselbloem indicou que vai enviar uma carta a todos os ministros das Finanças a explicar todo o procedimento e calendário para a eleição do seu sucessor, apontando que quem decidir avançar com a sua candidatura “será convidado a fazê-lo ainda este mês”.

De acordo com as regras do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, os ministros que decidam candidatar-se ao cargo deverão fazê-lo até cerca de duas semanas antes da data da eleição, ou seja, até sensivelmente 20 de novembro.

Até ao momento, ainda ninguém formalizou a candidatura — para o fazer terá de enviar uma carta formal a dar conta da sua intenção -, mas já manifestaram publicamente “interesse” o ministro eslovaco, Peter Kazimir, a letã Dana Reizniece-Ozola, e o luxemburguês Pierre Gramegna.

Centeno, que há meses tem sido apontado como uma forte possibilidade, ainda não assumiu formalmente a candidatura ao posto, mas no último Eurogrupo no qual participou, em 15 de setembro passado, em Talin, admitiu que tem havido “um conjunto de conversas” sobre a possibilidade de se candidatar à presidência do Eurogrupo, e, sem assumir explicitamente essa candidatura, garantiu que Portugal participará ativamente no processo.

“Vamos participar nessa discussão com a maior das tranquilidades, tendo como objetivo trazer para a Europa e para Portugal aquilo que de mais positivo conseguimos oferecer, e isso são as nossas ideias, a nossa participação e vamos ser muito ativos nessa matéria”, disse aos jornalistas, na ocasião.

Centeno deverá falar à imprensa no final da reunião de hoje do Ecofin.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

Marcelo. “Não se pode esperar um, dois, três meses por respostas europeias”

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

140 mortos e 6408 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Centeno terá voto de Espanha se se candidatar à presidência do Eurogrupo