Centros Comerciais

Centros. Horário na Grande Lisboa “é discriminatório e injustificado”

Centro Comercial Colombo reabriu dia 15 de maio depois de três meses fechado devido à pandemia de Covid-19. 
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Centro Comercial Colombo reabriu dia 15 de maio depois de três meses fechado devido à pandemia de Covid-19. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Governo deverá deliberar hoje sobre a reabertura total dos shoppings na Grande Lisboa. Região concentra 50% do emprego total gerado pelo setor.

A Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) reiterou hoje que a limitação de horário que vigora nos Centros Comerciais da Área Metropolitana de Lisboa (AML) “é discriminatória e injustificada”, apelando para que o Governo reverta esta regra.

Esta quinta-feira é esperada uma decisão do Conselho de Ministros sobre esta matéria, a APCC pede ao Governo para que reverta a sua decisão de fecho às 20:00, “uma vez que estes espaços e os seus lojistas garantem todas as condições de segurança aos visitantes e colaboradores das lojas, não representando qualquer risco acrescido de contágio do novo coronavírus, tal como vêm demonstrando os Centros Comerciais do resto do país, a funcionar sem limitações desde o dia 01 de junho”.

O Governo deverá deliberar, na quinta-feira, sobre a reabertura total dos Centros Comerciais na Área Metropolitana de Lisboa, onde se concentram 35% dos Centros do país e que asseguram 50% do emprego total gerado pelo setor a nível nacional. As lojas destes espaços têm de encerrar atualmente às 20:00.

“Os associados da APCC consideram que não existem razões objetivas para que se mantenham estas restrições sobre os Centros Comerciais, que têm mostrado, como poucos outros espaços, capacidade de garantir a segurança de visitantes, lojistas e colaboradores das lojas, cumprindo não apenas as regras estabelecidas pelo executivo e as recomendações da Direção-Geral da Saúde, mas também as melhores práticas desta indústria a nível global”, afirma, na nota, o presidente da APCC, António Sampaio de Mattos.

O presidente da APCC recorda que “desde 01 de junho que os Centros Comerciais estão a operar sem limitações no resto do país sem registo de quaisquer incidentes”.

“A manutenção do horário reduzido de funcionamento dos Centros Comerciais na AML, irá reforçar o impacto significativo que esta medida já está a ter, condicionando de forma grave e arbitrária a recuperação económica da atividade dos Centros Comerciais e dos seus lojistas e colocando em risco a preservação dos postos de trabalho”, conclui António Sampaio de Mattos.

Já a 23 de junho, a APCC tinha dito que “não compreende” a nova limitação de horário imposta a estes estabelecimentos da AML, alertando que, contrariamente ao pretendido, “pode potenciar uma maior concentração de pessoas”.

“Compreendemos a preocupação do Governo e das autoridades de saúde em minimizar os riscos de ajuntamentos à margem das regras em vigor, mas reiteramos que os Centros Comerciais, pelas características da sua operação, e por cumprirem regras de limitação de entradas, não têm nem nunca tiveram ajuntamentos”, sustentou, na altura, o presidente da APCC.

Para António Sampaio de Mattos, “limitar o horário de funcionamento dos Centros Comerciais na AML pode potenciar uma maior concentração de pessoas, precisamente o contrário” do que se pretende, para além de continuar “a criar fatores de incerteza, com impactos negativos na operação dos centros, dos seus lojistas e na confiança dos visitantes”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Klaus-Heiner Lehne, presidente do Tribunal de Contas Europeu (segundo a contar da direita). Fotografia: Tribunal de Contas Europeu

Estados deram 6,5 biliões em ajudas à banca, mas controlo de Bruxelas é fraco

Banco de Portugal

Dívida pública subiu em agosto para recorde de 267,1 mil ME

Comboio da CP. Fotografia: Global Imagens

Família e falta de transportes vão permitir rejeitar horário desfasado

Centros. Horário na Grande Lisboa “é discriminatório e injustificado”