CEO da TAP: Integrar grande grupo de aviação contribuirá para resiliência futura

Christine Ourmières-Widener não se compromete com prazos para processo de reprivatização. Na corrida estão as companhias Lufthansa, a Air France/KLM e o grupo IAG (British Airways e Iberia), embora este último esteja pior posicionado porque poderia prejudicar a plataforma de conexão ('hub') da empresa no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

A presidente executiva (CEO) da TAP, Christine Ourmières-Widener, disse esta quinta-feira que a integração da companhia num grande grupo de aviação contribuirá para a sua resiliência futura, embora não tenha adiantado prazos para o processo de reprivatização.

"Fazer parte de um grande grupo seria uma fonte de resiliência para o futuro", considerou Ourmières-Widener, durante um encontro com imprensa estrangeira, em Lisboa, no qual garantiu que a administração da TAP "dará apoio em qualquer processo".

Vários meios de comunicação têm noticiado que o Governo prevê lançar o processo de reprivatização da TAP, no qual estariam interessadas a Lufthansa, a Air France/KLM e o grupo IAG (British Airways e Iberia), embora este último esteja pior posicionado porque poderia prejudicar a plataforma de conexão ('hub') da empresa no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Segundo a EFE, a gestora considerou que seria "inadequado" fazer comentários sobre os potenciais compradores e não adiantou prazos para uma eventual venda, mas defendeu que a companhia aérea é uma "oportunidade fantástica" dentro da Europa.

"Temos uma das frotas mais modernas da Europa", sublinhou.

A presidente executiva da TAP reconheceu que as previsões macroeconómicas que apontam para uma possível recessão são motivo de preocupação para a companhia aérea, mas apontou que a situação não é igual em todos os países.

"Dos destinos para onde viajamos vemos que ainda há um apetite significativo", explicou, embora admitindo que existe uma preocupação particular com o mercado britânico.

Este ano, os custos com combustíveis vão aproximar-se de mil milhões de euros, um valor superior ao orçamentado pela companhia aérea.

A empresa está especialmente comprometida com o mercado brasileiro, onde já tem "grande presença", e vê potencial para aumentar as frequências dos 11 destinos que já opera naquele território. Por isso, as iminentes eleições presidenciais no Brasil "são de relevante importância" para a companhia aérea.

A TAP foi altamente afetada pela pandemia. Na sequência dos auxílios públicos de cerca de 3,2 mil milhões de euros, a companhia passou a ser totalmente detida pelo Estado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de